OPINIÃO

Fatos 23.12.2016

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O ano começa em março....

Por que medidas importantes são anunciadas pelos governos no final do ano? Por que projetos e pacotes são votados nesta época em sessões intermináveis pelos Parlamentos? A resposta é bastante simples: é que no final ano já estamos exaustos, correndo para bater nossas metas pessoais, contando os dias para as férias, organizando as festas com a família. É uma época em que estamos mais suscetíveis e solidários. Ficamos mais sensíveis e queremos muito mais abraços e bons momentos do que focar a atenção em questões desagradáveis. É hora do amigo secreto, da festa da firma e da comemoração com os amigos. Ficamos alheios as coisas que achamos que não nos afetam. O saco de sacanagens está cheio e não cabe mais nada a não ser presente do Papai Noel. É percebendo este clima de distração que nossos representantes agem. De pacotes a medidas provisórias vamos sendo surpreendidos de mansinho enquanto estamos voltados para nós mesmos. E como bons brasileiros, vamos deixar para ver isso no próximo ano, mais precisamente depois do carnaval, lá em março, quando de fato voltamos para os trilhos.

‘Pracaba’

O governo federal que não iria se preocupar com a Reforma Trabalhista neste ano, apresentou no apagar das luzes do ano, através de Medida Provisória, uma proposta que autoriza ampliação da jornada de trabalho para até 12 horas e estabelece que o acordado deve prevalecer sobre o legislado. Depois de uma ano com impeachment de presidente, presidente da Câmara afastado e preso, salários dos servidores estaduais sendo parcelado, poder de consumo caindo, 12 milhões de desempregados, é bem provável que não se encontre tempo para avaliar o impacto que isso vai ter na vida dos trabalhadores.

Cassado

Não havia mais como segurar. A Assembleia cassou o mandato do deputado Mário Jardel, PSD, por unanimidade. Foi o segundo parlamentar cassado na atual legislatura. O primeiro, foi Diogenes Basegio, PDT.

Na base

O diretório estadual do PSB assegurou permanência do partido na base de sustentação do governo Sartori. No entanto manifestou contrariedade a duas PECs. “Não aprovaremos a mudança do calendário de pagamento dos salários e do 13°salário, tampouco a PEC que retira o plebiscito como ferramenta decisória para a venda de empresas estatais. Se for o caso, preferimos o plebiscito para que o povo tome estas decisões”, afirma o texto.

Feliz Natal!

 

 

Gostou? Compartilhe