OPINIÃO

Fatos 25.06.2019

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Municípios sugados
Enquanto os municípios tiverem que arcar com despesas básicas sem receber a contrapartida da União, como uma divisão mais justa do bolo arrecadatório, o malabarismo com o orçamento será permanente na vida dos gestores municipais. Na área de assistência social e saúde de Passo Fundo, por exemplo, ano após ano cresce o comprometimento de recurso com a judicialização de internações e medicamentos. Para se ter ideia do tamanho do gasto, em 2013, o município de Passo Fundo desembolsou R$ 197 mil com internações compulsórias de idosos em Instituições de Longa Permanência. Em 2019, este valor saltou para R$ 259 mil. Se acrescidos os medicamentos que o município é obrigado a dar por meio judicial, o valor vai para R$ 742,5 mil. No ano passado, o município licitou R$ 4,1 milhões para a compra de medicamentos. Deste total R$ 1,6 milhão foram para cumprir ordem judicial. Neste ano, já foram licitados R$ 1,9 milhão só por conta da judicialização, mas o valor deve ser bem maior até fechar o ano. O pacto federativo urgente é urgente, urgentíssimo.

 

Visita ao HMCS
Beto Albuquerque esteve em Passo Fundo há poucos dias e acompanhou o prefeito Luciano Azevedo numa visita as obras de reforma e ampliação do Hospital Municipal Cesar Santos. Ainda quando deputado federal destinou emenda de R$ 3,5 milhões para a obra que está dentro do cronograma e até metade do ano que vem estará pronta e à disposição da comunidade.

 

Economia burra
O IBGE reduziu o número de perguntas do Censo 2020. Estão fora da lista as perguntas sobre gastos com aluguel, renda e posses de bens. A quem interessa não saber sobre informações tão importantes como estas? Lembrando que é em cima do resultado do censo que os governos montam seus projetos de políticas públicas. Sem informações não há projetos, simples assim.

 

Conselho
Ministro da Justiça Sérgio Moro não deve ir à Câmara dos Deputados. Foi aconselhado a não colocar mais lenha na fogueira, pelo menos por enquanto. A líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), afirmou justificou que a presença do ministro da "vai ser mais do mesmo porque ele já respondeu a tudo".

 

Ação e reação
O mal nunca compensa em lugar nenhum e em nenhuma situação. É a lei da vida.

Gostou? Compartilhe