OPINIÃO

Fatos 26.01.2017

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Taxímetro

Já tem permissionário de táxi em Passo Fundo prestes a perder o ponto. A informação foi passada ontem pelo secretário de Transporte e Serviços gerais, Cristiam Thans, por conta da nota que a colunista publicou sobre um episódio, lamentável, em que um taxista cobrou por uma corrida da Gran Palazzo até o centro, a bagatela de R$ 160,00. Os passageiros eram de outra cidade, ficaram com medo e pagaram a corrida sem contestar. Segundo Cristiam, o município tem agido de forma rigorosa, sempre que tem uma denuncia. Só que precisa que elas sejam feitas formalmente e com a placa do carro, o horário, o trajeto e o valor cobrado sem que o taxímetro tenha sido ligado. Qualquer outra prova como gravação em celular ou até mesmo uma foto, contribui para as medidas punitivas. O que ocorre, na grande maioria das vezes, é que os motoristas que cometem o delito não são os permissionários e fazem trabalhos extras.

Fiscalização

Um projeto de lei do vereador Patric Cavalcanti, aprovado pela Câmara, está na PGM e deve regulamentar a função de motorista não permissionário. Eles deverão estar cadastrados e identificados. Desta forma, o município conseguirá agir de forma mais eficaz contra golpistas, porque os taxistas, que muitos de nós conhecemos, não agem da forma criminosa como o que a coluna citou. É bom que se diga que a maioria não age desta forma e que os maus profissionais sejam punidos exemplarmente, de preferência com a perda da permissão do ponto.  

Capacidade contributiva

Se o governo não corrigir a tabela do Imposto de Renda, logo, logo todos os trabalhadores brasileiros estarão pagando IR. Hoje não precisa muito: quem recebe pouquinho mais do que dois salários mínimos já tem imposto retido na fonte. Pois o presidente da OAB nacional, Cláudio Lamachia fez um apelo ao presidente Michel Temer para que autorize a atualização da tabela, lembrando alguns preceitos legais. Segundo Lamachaia, a correção inferior à inflação ofende diversos comandos constitucionais, como o conceito de renda (artigo 153, III), a capacidade contributiva (artigo 145, § 1º), o não confisco tributário (artigo 150, IV) e a dignidade da pessoa humana (artigo 1º, III), em face da tributação do mínimo existencial.

Desoneração

Além disso, Lamachia argumenta que ao evitar o que representa ser um constante aumento da carga tributária nacional, o reajuste “traz ainda como benefícios a desoneração da folha de pagamento e o estímulo à economia e ao mercado consumidor interno, estabelecendo uma situação de justiça fiscal e favorecendo o desenvolvimento social no Brasil”.

 

 

Gostou? Compartilhe