OPINIÃO

Fatos 27.02.2019

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Procedente
A Juíza Rossana Gelain da 1ª Vara Especializada em Fazenda Pública, considerou procedente a ação movida pela prefeitura de Mato Castelhano, contra o governo do Estado. O município cobra o repasse de R$ 288 mil referentes a pagamentos atrasados da área da saúde, entre 2014 e 2018. Dentre os programas devidos estão a assistência Farmacêutica Básica, Política Incentivo Atenção Básica em Saúde, Reabilitação de Pessoas com Deficiência, Incentivo Equipes Saúde da Família e outros. O Estado deve recorrer da decisão, mas o Tribunal de Justiça dificilmente vai reformar a sentença de primeiro grau. Embora favorável ao município, devendo se repetir em ações similares, os atrasos não serão resolvidos de imediato. Os recursos devem subir às instâncias de Brasília e até que o imbróglio se resolva, o governo continuará com o caixa raspado.


Irregulares
Em sessão da 1ª Câmara do dia 29 de janeiro, o Tribunal de Contas do Estado considerou irregulares as contas de gestão, do exercício de 2016, do ex-prefeito de Sertão, Marcelo D’Agostini. A decisão não é definitiva, cabendo recursos. Acompanhando o relator do processo, conselheiro Alexandre Postal, a 1ª Câmara determinou que o gestor deva ressarcir R$ 212.984,80 aos cofres públicos por conta de inconformidades como reajuste indevido no subsídio do prefeito; ausência de comprovação de utilização de diárias; pagamento de adicional de insalubridade sem previsão legal e laudo pericial para o cargo de dentista do PSF; uso de combustível sem identificação dos responsáveis ou da destinação e aditivo contratual irregular em pregão presencial. Marcelo D’Agostini também deverá pagar multa de R$ 1,5 mil.


Com ressalvas
As contas do ex-vice-prefeito Adelar Mosi Antunes foram consideradas regulares com ressalvas, cabendo o ressarcimento ao Município de R$ 6.803,40, por irregularidades relacionadas ao reajuste indevido em seu subsídio e ao pagamento de adicional de insalubridade sem previsão legal e laudo pericial para o cargo de dentista do PSF. Além disso, o ex-gestor foi multado pelo TCE-RS em R$ 500,00 por inconformidades destacadas no relatório. O atual responsável pelo Executivo Municipal de Sertão deverá adotar medidas que corrijam e evitem a ocorrência das falhas apontadas no relatório.

 

Plano B
O censo de 2020 vai acontecer em qualquer circunstância. O IBGE tem mais de um plano para a coleta de dados. Trabalha com a hipótese número 1, com orçamento integral. Se não der, vai para a segunda opção que representa um questionário mais enxuto e menos gastos, apostando na tecnologia. As opções secundárias representam menos informações.

 

Preço
A Uampaf pediu ao Ministério Público que investigue o preço dos combustíveis em Passo Fundo. O objetivo é saber porque os postos locais não acompanham a redução do preço da gasolina nas refinarias. A entidade comparou preços praticados aqui com outros da região, destacando que o município sedia um pólo de distribuição de combustíveis e que, portanto, em tese, os valores finais para o consumidor deveriam ser menores.

Gostou? Compartilhe