OPINIÃO

Fatos 27.08.2019

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Brasil no brete!

“O Brasil foi colocando no brete”. A afirmação foi feita ontem à colunista, por um observador da economia ao medir os impactos dos incêndios e a destruição da floresta Amazônica.  Para ele, a Amazônia não é mais nossa. O descaso com o Meio Ambiente e a autorização para queimadas e derrubada da floresta levaram o país a ser embretado por sanções econômicas internacionais. Bolsonaro acenou tarde demais com medidas de controle de incêndio e não vai escapar de ter que receber ajuda do Grupo dos 7, formado pelos países mais ricos do mundo, mas com imposições sérias. Serão R$ 90 milhões para o envio de aviões que ajudarão a combater o fogo, cujo número de focos no mês de agosto, foi o maior nos últimos 21 anos, segundo o INPE. Em contrapartida, o Brasil terá de concordar em trabalhar com ONGs e populações locais, assumir o compromisso de combater e evitar novos incêndios e a reflorestar os locais devastados num período de médio prazo. Caso ouse a descumprir essas medidas, poderá sofrer barreiras comerciais que atingirão diretamente o agronegócio. Há quem duvide que isso possa ocorrer e fale de exagero. No entanto, é simbólico que a chanceler da Alemanha, Angela Merkel e o presidente da França Emannuel Macron digam respeitar a soberania brasileira sobre a Amazônia, mas a questão no momento é global.

Só piora

A falta de polimento do presidente brasileiro só tem piorado a imagem do Brasil lá fora. Não bastasse a gravidade evidente e criminosa dos incêndios na Amazônia, Bolsonaro se presta para comentar ‘meme’ comparando as primeiras damas do Brasil e da França, gerando reação de Emmanuel Macron que classificou as manifestações do líder brasileiro sobre sua esposa como extraordinariamente desrespeitosas, dizendo-se “triste por ele e pelos brasileiros”. “Bolsonaro fez comentários extraordinariamente desrespeitosos sobre minha esposa. O que eu posso dizer a vocês? É triste, é triste, mas é em primeiro lugar triste para ele e para os brasileiros. Espero que os brasileiros tenham um presidente que se comporte à altura”. Agora, só me digam uma coisa: precisava disso? Que vergonha....

Dia do fogo

A revista Globo Rural publicou matéria no portal com as conversas entre sindicalistas, produtores rurais, comerciantes e grileiros, combinaram através de um grupo de whatsApp incendiar as margens da BR-163, rodovia que liga essa região do Pará aos portos fluviais do Rio Tapajós e ao Estado de Mato Grosso. Isso no dia 10 de agosto. Segundo a revista, o MPF do Pará enviou ofício ao Ibama, “para comunicar que produtores rurais pretendiam realizar uma queimada no município como forma de manifestação.  Ainda conforme a revista, a intenção deles “era mostrar ao presidente Bolsonaro que apoiam suas ideias de “afrouxar” a fiscalização do Ibama e quem sabe conseguir o perdão das multas pelas infrações cometidas ao Meio Ambiente.” O “dia do fogo” como foi chamado, foi divulgado pelo jornal Folha do Progresso, de Novo Progresso.

Pesquisa

A pesquisa CNT/MDA reflete o momento vivo pelo país.  A avaliação negativa do governo Bolsonaro sobe de 19% para 39,5%. No caso da aprovação pessoal de Jair Bolsonaro, o resultado recuou de 57,5% para 41%, enquanto a desaprovação do presidente foi de 28,2% para 53,7%.

Foco nas eleições

O MDB gaúcho realizou no domingo convenções municipais unificadas em 481 cidades. Esse foi o primeiro passo para a organização das eleições de 2020. Os dirigentes eleitos para a gestão 2019-2021 terão o compromisso de conduzir o partido neste processo. Em Passo Fundo, o emedebista Paulo Severo foi reeleito presidente do diretório municipal, em chapa de consenso. Antes das convenções, o partido realizou encontros regionais. Em Passo Fundo, a direção estadual deixou claro que quer ver o vice-prefeito João Pedro Nunes  como candidato do partido à Prefeitura. João Pedro tem dito que a conversa passa pela atual aliança da gestão do prefeito Luciano Azevedo, a qual o partido está vinculado no momento. O que não impede de conversas casuais como esta (na foto) proporcionada no evento de sábado à noite na Casa do Bosque. Lucas Cidade é pré-candidato a prefeito pelo PSDB. O evento encerrou as atividades do mês de aniversário do município e homenageou o empresário Erasmo Battistella.

Empregos

Passo Fundo reduziu o índice negativo de emprego no mês de julho, mas segue com saldo positivo no ano. Três municípios da região se saíram bem: Palmeira das Missões com saldo de 14 vagas criadas, Soledade, com 32 e Marau, com 48. No caso de Marau, o setor que mais empregou no mês passado foi a construção civil, 39 admissões.

Gostou? Compartilhe