OPINIÃO

Fatos 28.05.2019

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Legítimas
Pacíficas, legítimas e numerosas foram as manifestações dos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, durante todo o domingo, em 156 cidades brasileiras, incluindo Passo Fundo. Foram convocadas, sim, por apoiadores através dos grupos organizados nas redes sociais, em especial pelo whatsApp, mantendo a mesma estratégia que uniu movimentos variados durante a campanha eleitoral, e que culminou com a vitória de Bolsonaro. E teve o apoio do presidente que, durante toda a semana fez questão de frisar que se tratava de um movimento espontâneo. A motivação é que se dispersou. Variou de um lugar para outro, concentrando na maioria das cidades o apoio às reformas que, é bom que se diga, estão andando no Congresso dentro do tempo previsto. Há prazos a serem observados e é preciso dar espaço para o devido debate com a sociedade. Em alguns lugares houve exagero ao pedir o fechamento do Congresso e do STF fazendo uma errônea ligação com a situação da Venezuela. Em Brasília, faixas circularam pedindo a morte de Rodrigo Maia e em quase todas as cidades, cartazes condenavam o Centrão. Teve ainda a retirada de uma faixa em defesa da educação de uma universidade pública, alegando ideologia. O eco das ruas se dará no Congresso.

 

Desarmar
O relator da reforma da Previdência na comissão especial da Câmara, deputado federal Samuel Moreira (PSDB-SP), afirmou nesta segunda-feira, 27, que não faz sentido atacar alguém que tem papel fundamental no processo da reforma, querendo a reforma, após ter sido questionado sobre o fato de o presidente Jair Bolsonaro ter endossado as manifestações, que tiveram como alvos principais o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e os parlamentares que compõem o chamado Centrão. "Uma manifestação democrática, ordeira, não tenho objeção nenhuma. Agora, é preciso se desarmar. Não há sentido você atacar alguém que tem papel fundamental no processo da reforma, querendo a reforma", disse o relator, em declaração à imprensa, depois de ter participado de evento da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). (AE)

 

Desfiliação
No PDT desde 1992, o advogado Julio Cesar Pacheco, encaminhou ontem o pedido de desfiliação do partido, em caráter irrevogável. Já estava afastado do diretório havia meses. Agora toma a decisão de deixar as fileiras trabalhistas. Não saber se vai se filiar a outra agremiação ou deixar de atuar partidariamente. Julio Pacheco foi assessor parlamentar de Airton Dipp, quando este exerceu o cargo de deputado federal. Tem advogado para o ex-prefeito nas causas demandadas pelo Tribunal de Contas do Estado, revertendo condenações no âmbito da Justiça.

 

Decisão
Discretamente, um pequeno grupo de pessoas tem se reunido com o prefeito Luciano Azevedo para discutir alternativas para a sucessão municipal de 2020. São pessoas de dentro e fora dos partidos. Quem assistiu as reuniões garante: o prefeito mais ouve do que fala. Luciano quer entender o que os partidos e a cidade pensam antes de se posicionar. A escolha do candidato governista está em andamento. Embora negue, a decisão final será do prefeito, de mais ninguém.

 

Mercado x Bolsonaro I
Pesquisa XP Sondagem sobre Mercado e Política, realizada pela XP Investimentos, apontou ontem que a porcentagem de agentes do mercado financeiro que considera o governo Jair Bolsonaro ótimo/bom caiu de 28% em meados de abril para 14% em 19 de maio. No mesmo período, aqueles que avaliam o governo como ruim/péssimo passaram de 24% para 43%. Segundo o Portal Congresso em Fovo, o percentual de agentes que consideram a gestão de Bolsonaro como regular também é de 43%.


Mercado x Bolsonaro II
A pesquisa entrevistou 79 investidores institucionais, um público formado por gestores de recursos, economistas e consultores, entre os dias 22 e 24 de maio, por meio de questionário que envolve ainda perguntas sobre expectativas a respeito do câmbio, da taxa Selic e de cenários para a bolsa de valores. Também foi mensurada a aprovação ao Congresso. O mesmo portal informa que o percentual de agentes do mercado que classifica como ótima/boa a atuação do Poder Legislativo subiu de 15% para 32% entre abril e maio, enquanto o grupo que avalia como ruim/péssimo caiu de 40% para 25%.

 

Pressão
Posição de apoiar as reformas em carta de Gramado, assinada por sete governadores do Sul e do Sudeste, mostra o potencial dos Estados em matéria de pressão. RS, SC, PR, SP, RJ, MG e ES, juntos representam 70% do PIB e detém 50% da população brasileira. Não é mole não!

 

Arco Íris
Em meio a uma segunda-feira emburrada e chuvosa na maior parte do tempo, a cena única foi captada pelas lentes do jornalista Erni da Rosa. Um arco Íris rasgando o céu da cidade eternizado pelo registro. 

Gostou? Compartilhe