OPINIÃO

Fatos 30/10/2012

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Não
Lideranças do PSB municipal tomaram por surpresa a declaração do secretário de infraestrutura Beto Albuquerque à Rádio Uirapuru, no sábado. Beto disse que o partido será oposição responsável ao governo de Luciano Azevedo. Havia um clima interno entre os socialistas de que a possibilidade de se aliar ao futuro governo era só uma questão de tempo. O partido, no entanto, precisava sinalizar isso ao próprio prefeito eleito, para que o convite fosse oficializado. A declaração de Beto deve inviabilizar isso, mesmo que a instância para a decisão seja o diretório municipal. Na quarta-feira à noite o partido se reúne.

Simpatia
O prefeito eleito Luciano Azevedo disse que não toma a manifestação de Beto como uma resposta, pois não houve formalização de convite ao PSB. No entanto, reforça que mantém a simpatia de aproximação, reconhecendo que os socialistas comandaram muito bem a secretaria de Desenvolvimento, com Marcos Citolin.

Futuro
Por traz da declaração de Beto existe, obviamente, um componente político forte e de futuro. O PSB faz parte da base do governo Tarso e aliado do PT aqui em Passo Fundo. O projeto político de Beto inclui uma eleição para o Senado. Para tanto precisa ser o nome preferencial com apoio do PT. Não seria conveniente uma aliança com a futura administração municipal que derrotou o candidato petista. Além disso, o PT também quer estar ao lado do PSB, que cresceu substancialmente nestas eleições, fazendo 440 prefeituras. A aproximação é uma tentativa de neutralizar uma candidatura de Eduardo Campos à Presidência da República.

Gostou? Compartilhe