OPINIÃO

Fatos - 30/12/2014

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Candidatíssimo
O deputado estadual Diogenes Basegio está à disposição do PDT para disputar a prefeitura em 2016. Dentre os nomes que se apresentam no atual quadro, ele é forte concorrente do atual prefeito Luciano Azevedo, PPS, que vai buscar a reeleição. Ele abriu mão de uma candidatura em 2012 para consolidar o mandato na Assembleia Legislativa. Mas, agora, está à disposição dos trabalhistas. A candidatura de Basegio é natural, não terá restrições e, muito menos, concorrentes. O ex-prefeito Airton Dipp tem reiterado internamente que a primeira hipótese do partido para a próxima eleição é candidatura própria e que ela passa pela decisão pessoal de Basegio. No entanto, disse o deputado à colunista, ele não é candidato de si. Coloca o nome à disposição, mas quer mobilização partidária em torno da disputa. No segundo mandato como deputado estadual, assume desafios importantes na carreira: será o líder da bancada do PDT na Assembleia, função de extrema visibilidade e importância parlamentar.

Educação
A professora Rosemari Souza tem grande chance de assumir a Coordenadora Regional de Educação. A indicação será feita pelo PDT. Qualificada para o cargo, ela também exerceu a vereança em Água Santa e é cota do deputado estadual Gilmar Sossella. Outros nomes estão na lista, o professor Alexandre Vieira e a ex-secretária da educação do município Vera Vieira. O PDT indicará ainda nomes para a secretaria de Obras e Corsan.

Saúde
A Coordenadoria Regional da Saúde deve ser comanda pelo PMDB. Prefeitos e dirigentes de hospitais se articulam para que o nome indicado tenha trânsito na região.

Gastos
Poderia passar de R$ R$ 161,35 milhões para R$ 203,30 milhões os gastos com vereadores no Rio Grande do Sul, caso a Câmara de cada uma das cidades resolvesse aplicar sobre os subsídios o aumento de 26% aprovado no último dia 18 no Congresso Nacional. Mas, isso não ocorreu, segundo a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski. Ziulkoski disse que se todos os prefeitos e políticos do Brasil subissem seus subsídios nesse mesmo percentual aplicado até agora, haveria um gasto extra de R$ 1,59 bilhão. A entidade lembra que os aumentos já previstos ocorrem em uma fase delicada das finanças públicas, inclusive com ameaça de atraso em pagamentos da folha de servidores.

Ausência
Único secretário a não participar da primeira reunião de ontem do governo de José Ivo Sartori, foi o da Segurança, Wantuir Janici. É que ele ainda trata dos trâmites de desligamento do governo do Mato Grosso do Sul. No dia 1º estará a postos para ser empossado aqui no Estado.

Proibido
O vereador Patric Cavalcanti (DEM) teve aprovado o projeto que proíbe a veiculação de propaganda eleitoral em logradouros públicos, sejam, por meio de pinturas de muros públicos ou colocação de placas, outdoors, banners ou cavaletes. A lei também se estende a proibição e utilização de espaços públicos para fixação de material de campanha. A intenção é acabar com a poluição visual no âmbito do município. Os infratores ficarão sujeitos à multas.

 

 

Gostou? Compartilhe