OPINIÃO

Fatos 31.08.2019

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Conversas ao pé do ouvido

O PT municipal se movimenta com a possibilidade de disputar a eleição de 2020 repetindo uma aliança de articulação nacional (PT, PCdoB, Psol e PDT). O pré-candidato do partido é o professor e médico Jaime Giolo, que deixou a reitoria da UFFS. As conversas com PCdoB e Psol estão mais próximas. No entanto, com o PDT, dificilmente devem avançar. O pré-candidato trabalhista Márcio Patussi, já se descolou do PT há muito tempo e tem se posicionado como alternativa de centro.  Sem falar que parte do PDT ainda guarda mágoas da eleição de 2012, pelo apoio dado a candidatura do petista Rene Cecconello.

Distante

Nacionalmente, também parece longe a construção de um frente ampla de esquerda. Ciro Gomes mantém a artilharia para cima do ex-presidente Lula e do próprio PT. E o PT ainda aparece pouco receptivo em ceder espaços.

Linha de frente

Sobre uma possível dobradinha PT e PCdoB, com a presença do ex-deputado e ex-vice-prefeito de Passo Fundo Juliano Roso, ventilada pela colunista Rosane de Oliveira, em ZH de sexta-feira, o próprio Juliano disse que ficou surpreso com a iniciativa do PT estadual e nacional em sondá-lo sobre a possibilidade. Porém, Juliano entende que o partido no âmbito local deve primeiro definir se pretende manter a aliança com o PSB ou se vai ter protagonismo em 2020. Só depois desta definição é que o partido vai falar de nomes. “Não tenho desejo de concorrer, mas quem vai decidir é o partido”, disse.

Desafio

Juliano assumiu, no começo do ano, o desafio de comandar o partido no Estado e a tarefa de organizar e eleger prefeitos e vereadores em 2020. Uma campanha em Passo Fundo o retiraria da linha de frente dessa articulação. Se no cenário nacional, o PCdoB integra a Frente Ampla pela Democracia, quando o assunto é eleição, o partido dá prioridade para os tradicionais aliados no campo de esquerda, sem deixar de considerar as exceções. “Conversamos com todos os partidos, menos com PSL e Novo”, disse.

Frente Ampla pela Democracia

Partidos de esquerda, centro-esquerda e centro têm um ato marcado para segunda-feira, em São Paulo, em defesa da democracia. O ato deve contar com líderes como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, José Serra, Fernando Haddad, entre outros. Dependendo a repercussão e engajamento, os partidos pretendem replicar a ação nos Estados. No Rio Grande do Sul, o presidente estadual do PCdoB, Juliano Roso, trabalha para a realização de manifestações desta ordem em, pelo menos, 50 cidades de porte grande e médio.

Cortesia

O prefeito Luciano Azevedo passou rapidamente pela convenção do MDB, no domingo passado, que reconduziu Paulo Severo à presidência. Num gesto de cortesia, atendeu a um convite do vice-prefeito João Pedro Nunes. A conversa entre os dois está consolidada, transparente e respeitosa. São amigos, mas o prefeito já disse que apoiará o candidato do PSB. João Pedro é o favorito do MDB para a disputa de 2020, mas o martelo ainda não foi batido.

Casa do Artesão

O coordenador do Sine/Fgtas de Passo Fundo, Sérgio Ferrari, articula para que Passo Fundo tenha a Casa do Artesão, presente em cidades como Porto Alegre e Marau. Pelos cálculos de Ferrari, o município tem muito mais do que 15 artesãos e um espaço oficializado  como a Casa pode buscar recursos federais e realizar uma série de atividades desde cursos de aperfeiçoamento até exposições para venda de produtos.

Nomeação

Através de decreto, o presidente Jair Bolsonaro nomeou o professor Marcelo Recktenvald reitor da Universidade Fronteira Sul, em substituição a Jaime Giolo. Assim como deve fazer com a indicação do novo Procurador Geral da república, Bolsonaro não respeitou a decisão da comunidade acadêmica. O professor Marcelo recebeu apenas quatro votos no Conselho. Ficou em último lugar no processo de escolha. Os outros dois professores, Anderson André Genro Alves Ribeiro (54,1% - 1º lugar) e Antônio Inácio Andrioli (45,9% - 2º lugar), foram desconsiderados. As razões da escolha do presidente estão descritas no panfleto de campanha do professor Marcelo.

Gostou? Compartilhe