OPINIÃO

Fatos - 31/10/2014

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O que estava por vir...
...começou a chegar. Mesmo que a presidente Dilma Rousseff tenha negado durante toda a campanha de que a inflação estava sob controle, a medida adotada pelo Copom, elevando a Taxa Selic de 11% para 11,25% mostra que a preocupação do governo é conter este crescimento. A estratégia é a mais tradicional de todas: elevando os juros se busca reduzir o consumo. O que está por vir também é um aumento, sempre indesejável, do combustível. Medidas antipáticas para a população, mas exigidas pelo mercado econômico como um sinal. Por isso, obviamente, não foram tomadas durante a campanha eleitoral.

Controle
Jornalismo com liberdade é um dos preceitos da democracia. Quando ouço pessoas pregando a ideia de que a mídia deve ser regulada, vem logo o temor. Que tipo de controle seria este?

Mais um
Passo Fundo deve ganhar mais um grande empreendimento no setor de shoppings. O grupo proprietário do Bella Cittá, deverá anunciar para o mercado, em breve, um do novo shopping, no bairro Petrópolis.

Trabalho
O deputado estadual Diogenes Basegio, reeleito para mais um mandato, não deu folga depois da eleição. Intensificou a atividade do gabinete e está com agenda lotada até o final do ano. Vai emendar um trabalho no outro. Está com todo o gás.

Conselhos
O Senado deve seguir o mesmo caminho da Câmara dos Deputados, derrotando o governo que tenta criar os chamados conselhos populares. O resultado negativo na Câmara fez com que o Executivo buscasse uma negociação com o Congresso para outras pautas. Aloisio Mercadante entrou em ação.

Dívidas
Quatro instituições públicas apresentaram ontem ao presidente da Famurs e prefeito de Tapejara, Seger Menegaz, proposta de racionalizar a cobrança de dívidas ativas municipais. O grupo formado pelo Tribunal de Justiça, Tribunal de Contas, Ministério Público e Ministério Público de Contas, sugere que as prefeituras gaúchas não recorram à Justiça para realizar a cobrança de pequenos valores. O objetivo é reduzir o número de processos de execuções fiscais em tramitação e ampliar a eficiência do Poder Judiciário gaúcho. A proposta será analisada pela entidade.

Gostou? Compartilhe