Feira de peixe vivo acontece na Praça da Mãe

Expectativa é comercializar cerca de mil quilos entre quinta e sexta-feira (19)

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Os adeptos à tradição cristã de se abster do consumo de carne vermelha durante a Semana Santa e, essencialmente, na Sexta-feira da Paixão encontram nas feiras de peixes vivos uma opção para escolher o alimento a ser servido nas refeições elaboradas para a data.

 

Em Passo Fundo, entre quinta (18) e sexta-feira (19), o consumidor pode optar pela compra de carpas e jundiá que estarão expostos na Feira do Peixe Vivo, na Praça da Mãe. Das 7h às 19h, os pequenos produtores de pescado do município estarão atuando na comercialização desses animais. “Os peixes só poderão ser vendidos vivos e não podem ser limpos no local”, informou o secretário Municipal do Interior, Antônio Bortolotti. De acordo com ele, cerca de mil quilos das espécies disponibilizadas deverão ser vendidas. “No ano passado, foram comercializados 1,6 mil quilos nas feiras. Esse ano, porém, as pessoas estão procurando os peixes direto nas propriedades”, explica.

 

Bela Vista
Próximo a uma delas, no salão comunitário do bairro Bela Vista, a Associação para Conservação da Vida Silvestre (CONVIDAS) e o criadouro Primaves realizam, na quinta-feira (18), a segunda edição da Feira do Peixe. Além dos peixes criados em lagoas do distrito, produtos provenientes da agricultura familiar e cultivo orgânico estarão disponíveis para a compra e consumo, a partir das 8h30min, como menciona o gestor do criadouro, Luizandro Ferrari. “As carpas que vão ser vendidas são criadas aqui e em outras propriedades próximas. Nós ficamos horas fazendo a retirada dos peixes. É bem trabalhoso”, conta.


De acordo com a Emater/RS-Ascar, os preços variam de R$ 6,00 a R$ 18,00 o quilo, conforme a espécie do pescado. Na região, a projeção é movimentar valores estimados em R$ 1,6 milhão de reais com o comércio desses animais.

Gostou? Compartilhe