Folia: marcas de outros carnavais

Fotografias e peças carnavalescas ficam em exibição na Sala Desdêmona do Teatro Municipal até o dia 6 de abril

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Carnaval é uma festa popular que marca e marcou gerações de foliões. Quantos sonhos, arlequins, pierrôs, confetes e folguedos os carnavais realizados em Passo Fundo já viram? Quantos brilhos, quantos corsos, quantas máscaras? Na intenção de proporcionar um espaço para lembrar o histórico carnavalesco do município, o Instituto Histórico de Passo Fundo, o Museu Histórico Regional e a Secretaria Municipal de Cultura revisitaram seus acervos e em clima de festa organizaram a exposição “Folia: marcas de outros carnavais”.

 

A mostra, que reúne diferentes peças, de diferentes tempos e procedências, fica aberta para visitação gratuita da comunidade até o dia 6 de abril, de segunda a sexta-feira, das 14h às 17h, na Sala Desdêmona do Teatro Municipal Múcio de Castro. Retiradas do acervo das três instituições, as peças em exibição incluem fantasias, objetos, documentos, recortes de jornais e fotografias que retratam homens, mulheres, crianças, rostos, blocos, reis, rainhas, carros e brincadeiras em comemorações carnavalescas que atravessam gerações. Segundo o secretário geral do IHPF, Djiovan Carvalho, o registro mais antigo é de 1920.


Para os organizadores, a exposição é uma forma de incentivar a reflexão dos passo-fundenses sobre a história local, partindo do entendimento de que pensar na história do carnaval de Passo Fundo é pensar, também, nas memórias de todos nós. Afinal, quem nunca foi levado até os bailes infantis, entrou em um bloco ou dançou ao som de uma marchinha?


Reforma dos museus
Embora a exposição seja organizada em parceria com o MHR, as peças não puderam ser exibidas no espaço da própria instituição. É que desde o fim de fevereiro o complexo que inclui o Museu Histórico Regional e o Museu de Artes Visuais Ruth Schneider está fechado para a realização da substituição total da rede elétrica. Os prédios já haviam sido parcialmente interditados no ano passado, depois que o Ministério Público Estadual ingressou com uma ação na Justiça solicitando a medida, por constatar problemas estruturais no espaço e a falta de um Plano de Prevenção contra Incêndio (PCCI).


Segundo a secretária de Planejamento do município, Ana Paula Wickert, os reparos necessários já estão sendo feitos e devem ser concluídos em no máximo 90 dias. A obra conta com recursos do município e com contrapartida da empresa Havan, que ficou responsável por fornecer todo o material utilizado na substituição como medida compensatória. O investimento total gira em torno de R$ 140 mil.

Gostou? Compartilhe