OPINIÃO

Fontes em Off - 07/10/2014

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Campanha propositiva I
A tarde desta segunda-feira (06) foi reservada por José Ivo Sartori para conversar com a coordenação de campanha e lideranças partidárias para definir estratégias da disputa no segundo turno das eleições ao governo do Estado. Basicamente, o candidato adotará a mesma postura do primeiro turno, evitando o confronto ofensivo e privilegiando a apresentação de propostas para reestruturar as finanças públicas e a capacidade de investimentos. “Vamos seguir fazendo uma campanha propositiva. Política é para a construção de ideias e soluções, não para desconstruir oponentes”, afirma. 

Campanha propositiva II

Antes da primeira reunião com a coordenação de campanha e representantes de todos os partidos que compõem a Unidade Popular pelo Rio Grande (PT, PCdoB, PTB, PR, PROS, PTC,PPL) neste segundo turno, o candidato à reeleição Tarso Genro falou com alguns repórteres que o aguardavam no Comitê Central. Aos jornalistas, Tarso disse que “a bola está no centro do gramado” e que agora “começa um novo jogo” em busca da continuidade do projeto que vem sendo executado no Rio Grande do Sul. O candidato reiterou que sua campanha continuará sendo propositiva e que irá expor, simultaneamente, resultados do primeiro mandato e propostas para o futuro, sem abrir mão da comparação entre projetos e biografias entre os candidatos. “Vou estabelecer um nexo de coerência com o que já fiz na minha trajetória política e o que fiz agora no governo. O patrimônio político do adversário também será exposto e vamos debater”, antecipou.

Propaganda eleitoral

Definido o cenário do segundo turno das eleições, os candidatos podem retomar a propaganda eleitoral. Volta a ser permitida a distribuição de material de propaganda política, carreatas, comícios e o uso de alto-falantes ou amplificadores de som. No caso da propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão, a veiculação é permitida 48h após a proclamação do resultado do primeiro turno pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A proclamação deve ocorrer na sessão marcada para as 19h de hoje (7), de acordo com o TSE. A legislação eleitoral estabelece o dia 11 de outubro como data-limite para o início da propaganda eleitoral no rádio e na televisão.

Prazo
O prazo final para a divulgação da propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão é 24 de outubro. Esse é também o último dia para a realização de debates entre candidatos. A véspera da eleição, dia 25, é a data final para propaganda sonora, distribuição de material gráfico, caminhadas e carreatas. O segundo turno está marcado para o dia 26 de outubro. Haverá segundo turno na disputa para a presidência da República entre os candidatos Dilma Rousseff (PT), que obteve 41,59% dos votos, e Aécio Neves (PSDB), que ficou com 33,5%. Em 13 estados e no Distrito Federal haverá segundo turno na disputa para o cargo de governador.

Encontro
Foi realizado no dia 18 de setembro o 1º encontro "aconTECENDO entre amigos" que reuniu o CAPS II de Passo Fundo, Carazinho, Marau, Tapejara e o Residencial Florence. O encontro foi no CTG do Simpasso em Passo Fundo e reuniu 170 pessoas entre usuários, equipes e colaboradores.

Cesta básica

O Centro de Pesquisa e Extensão da Faculdade de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis (CEPEAC) divulgou ontem o boletim com os resultados da pesquisa sobre o custo da cesta básica no mês de setembro em Passo Fundo. O custo dos produtos teve aumento de 0,89% no mês de setembro de 2014, quando comparado com os preços médios praticados no mês de agosto de 2014. No mês de agosto, foram necessários R$ 650,21 para a aquisição da cesta, passo que em setembro de 2014 o custo foi de R$ 656,09, o que representa um aumento de R$ 5,88 por cesta. Uma família típica necessitava, em agosto de 2014, de 0,90 salários mínimos para adquirir a cesta de produtos básicos. No mês de setembro de 2014, a mesma cesta subiu para 0,91 salários mínimos, o que representa uma queda no poder de compra da população de um mês ao outro.

 

Gostou? Compartilhe