OPINIÃO

Fontes em Off - 12 e 13/01/2013

Por
· 3 min de leitura
O psiquiatra forense e atual diretor do Hospital Bezerra de Menezes, Rogério Riffel, será o novo diretor técnico do Hospital Municipal Dr. César Santos.

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Hospital Municipal

O psiquiatra forense e atual diretor do Hospital Bezerra de Menezes, Rogério Riffel, será o novo diretor técnico do Hospital Municipal Dr. César Santos. Conforme o secretário de Saúde, Luiz Artur Rosa Filho, o servidor foi escolhido por sua experiência profissional e, principalmente, pela extensa gama de serviços prestados ao município. Riffel diz que recebe o novo cargo com o desafio de contribuir para que sejam sanadas as atuais dificuldades encontradas no Hospital Municipal, e melhor atender à população. “A ideia é encontrar a vocação natural do Hospital, sua verdadeira função na saúde para a cidade e região e desenvolvê-la, retornando em bom funcionamento para a comunidade”, afirmou o diretor.

Motocross e Veloterra

Um grupo de motociclistas de Passo Fundo está mobilizado na busca de um novo local para treinamento de modalidades esportivas. Há alguns anos os praticantes de Motocross e Veloterra vinham utilizando uma área atrás do Ginásio Teixeirinha usavam para treinos e competições. Recentemente o espaço teve o uso concedido ao Esporte Clube Gaúcho e os pilotos reclamam que não foram consultados. Embora a área seja do Município, os motociclistas alegam que uso do local já era aprovado de modo informal pela prefeitura e havia a promessa de oficializar a concessão. Na próxima terça-feira, dia, o grupo promete fazer uma manifestação em frente à prefeitura.

Motocross e Veloterra II

“Não temos nada contra o clube, inclusive torcemos pelo Gaúcho e a gente acha que a área é mais adequada para o estádio do que para nós, só que fizemos um investimento lá. A gente tirou dinheiro do bolso para fazer as rampas, colocamos iluminação”, afirma o empresário Edegar da Silva, um dos representantes do grupo. Os motociclistas pedem a compensação dos gastos no local que estimam ser de cerca de R$ 20 mil reais. O empresário explica que para adequar o espaço à prática esportiva, além das pistas de Motocross e de Veloterra, os motociclistas instalaram postes de iluminação e arborizaram o local.

Mudas

Em outubro de 2011, na área próxima ao Ginásio Teixeirinha a Associação Passo-Fundense de Motociclismo realizou o plantio de 150 mudas de ipê, cedro, jacarandá e guabiju doadas pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente. “A gente plantou árvores que o Ministério Público e a Prefeitura exigiram e agora elas vão ser arrancadas”, reclama Edegar da Silva. A iniciativa teve o objetivo de minimizar o impacto ambiental e, futuramente, oferecer sombra ao público durante as competições de Motocross e Veloterra. O grupo pretende apresentar um documento ao Ministério Público mostrando as mudas plantadas para que seja assegurada a manutenção das plantas, ou o replantio em outro lugar.

Sisu

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) derrubou segunda liminar que liberava o acesso antecipado à correção da redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e suspendia a divulgação dos resultados e o prazo de inscrições no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que foi concedida pela Justiça Federal de Bagé (RS) ao estudante Lucas Almeida Figueiredo. Com a decisão, está mantido o cronograma do Sisu.

Presídio

O governo do Rio Grande do Sul não descarta a hipótese de desativar o Presídio Central de Porto Alegre. Segundo o secretário estadual de Segurança Pública, Airton Michels, o governo estuda a hipótese há alguns meses. A decisão, contudo, depende do interesse de empreendedores que ofereçam pelo terreno de cerca de 10 hectares (1 hectare corresponde a 10 mil metros quadrados, o equivalente a um campo de futebol oficial), o suficiente para que a secretaria construa, em outro local, nova unidade prisional para pelo menos 2 mil presos.

Superlotação

A superlotação e as más condições do Presídio Central motivaram oito entidades de direitos humanos a denunciar o Brasil à Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA). Entre 20 medidas cautelares, as entidades pedem a proibição do ingresso de novos presos na unidade; a separação dos detentos provisórios dos já condenados e o fim das revistas íntimas aos visitantes dos apenados. Construído em 1959, o presídio tem capacidade para 1.984 presos, mas abriga, de acordo com o secretário, 3.990 detentos. Já as entidades falam em 4.086 pessoas. Em  2009, a penitenciária foi considerada pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Sistema Carcerário da Câmara dos Deputados o pior presídio do país.

 

Gostou? Compartilhe