OPINIÃO

Fontes em Off - 15/10/2012

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Manifesto em Ernestina
Mais de 300 pessoas participaram no final da tarde de quinta-feira de um protesto por mais segurança no trevo de acesso ao município de Ernestina, na RST 153. O protesto visou chamar a atenção de órgãos responsáveis para o número de acidentes que ocorrem próximo ao quilômetro 29. A rodovia ficou interrompida por cerca de 45 minutos. Um documento assinado pela comunidade pede a instalação de uma lombada eletrônica nas imediações o que obrigaria aos motoristas reduzirem a velocidade no trecho.

Azul
A Azul Linhas Aéreas pretende ampliar seu malha de voos em 2013 com onze novas cidades e Passo Fundo está nos planos. As negociações vêm desde 2010. Outras cidades do Estado também devem ser incluídas como Pelotas. O prefeito Airton Dipp deve retornar a São Paulo para reforçar os contatos.

Estradas
O governador Tarso Genro participou, na manhã deste sábado (13), de reunião com os representantes das Câmaras de Indústria, Comércio e Serviços da Serra (CIC), no município de Nova Prata. O objetivo do encontro foi debater a situação das principais rodovias que cortam a região, como as RSC 470 e 453, e as RS 446, 324 e 431. Ele também anunciou a assinatura de uma ordem de licitação no valor de R$ 150 milhões para o programa de restauração de 200 quilômetros de estradas da Serra. O governador estava acompanhado dos secretários de Infraestrutura e Logística (Seinfra), Beto Albuquerque; da Assessoria Superior, João Victor Domingues; do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (Cdes), Marcelo Danéris, e do presidente do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer), Francisco Thorman.

Mensalão I
O julgamento da Ação Penal 470, o processo do mensalão, será retomado hoje no Supremo Tribunal Federal (STF) com os votos dos ministros Gilmar Mendes, Celso de Mello e Ayres Britto, presidente da Corte Suprema. Sete ministros já se manifestaram sobre o item 7, que se refere a crime de lavagem de dinheiro, na denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR). Na denúncia, a prática do crime é atribuída ao ex-deputado federal Paulo Rocha (PT-PA), à assessora dele Anita Leocádia Pereira da Costa, aos ex-deputados federais João Magno (PT-MG) e a Luiz Carlos da Silva, o Professor Luizinho, (PT-SP), além do ex-ministro dos Transportes Anderson Adauto e do assessor dele José Luiz Alves.

Mensalão II
Na semana passada, o ministro-relator da ação, Joaquim Barbosa, votou pela condenação dos réus Paulo Rocha, João Magno e Anderson Adauto, mas pela absolvição de Anita Leocádia, do Professor Luizinho e de José Luiz Alves. O ministro Luiz Fux seguiu o relator e votou pela condenação dos réus Paulo Rocha, João Magno e Anderson Adauto, e pela absolvição de Anita Leocádia, do Professor Luizinho e de José Luiz Alves. O ministro-revisor Ricardo Lewandowski votou pela absolvição de todos os réus. Os ministros Marco Aurélio Mello, Rosa Weber, Cármen Lúcia e José Antonio Dias Toffoli votaram pela absolvição de todos os réus.

Julgamento
O desembargador Tourinho Neto, da Terceira Turma Criminal do Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF1), conduz hoje o julgamento, em segunda instância, do processo criminal dos pilotos norte-americanos Joseph Lepore e Jan Paul Paladino, que comandavam o jato Legacy, que se chocou contra o avião da Gol há seis anos. No acidente, morreram 154 pessoas. Os parentes e amigos pedem justiça e apelam às autoridades. O acidente completa seis anos no dia 29 de setembro.

Falta diálogo
O presidente do Paraguai, Federico Franco, reclamou que a falta de diálogo com as presidentas Dilma Rousseff e Cristina Kirchner, da Argentina, impede a construção de pontes ligando os territórios dos três países. Um dos projetos ameaçados, segundo Franco, é o da construção da segunda ponte sobre o Rio Paraná, na fronteira com o Brasil, e a que ficará na região fronteiriça de Ñeembucú, do Paraguai com a Argentina. O Paraguai está suspenso do Mercosul desde junho, quando os líderes políticos da região concluíram que houve o rompimento da ordem democrática na região durante o processo de destituição do poder do então presidente Fernando Lugo. As autoridades paraguaias negam irregularidades.

Gostou? Compartilhe