GESP encaminha denúncia de crime ambiental

Segundo o ofício, em um terreno do Parque Leão XIII estaria ocorrendo aterramento, eliminação de espécies nativas e construção de residências

Por
· 1 min de leitura
Aterro destruindo a vegetação de área úmida com a derrubada deárvores nativas

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O Grupo Ecológico Sentinela dos Pampas (GESP) encaminhou ao Ministério Público - 1ª Promotoria de Justiça Especializada Meio Ambiente, uma denúncia recebida referente a crimes ambientais ocorridos em um terreno de esquina com a Avenida Alceu Laus e Rua Valter Barbieux, no Parque Leão XIII. Segundo o ofício, na área de preservação permanente/APP, vem ocorrendo aterramento, construção de residências e supressão de vegetação nativa. O Grupo solicita a averiguação dos fatos, assim como a existência de licenciamento ambiental para obras de engenharia em área imprópria e inadequada para as atividades urbanas.


Foram feitas vistorias e se constatou a colocação de terra em uma área úmida, eliminando diversas espécies nativas, características de ecossistema de banhados. A quantidade de terra colocada na área úmida é considerável, sendo em alguns locais com mais de 1,5 metros de altura.Ao mesmo tempo, diversas árvores nativas de pequeno, médio e grande porte foram derrubadas e aterradas.No mesmo espaço físico onde antigamente possuía um bosque interagindo com a área úmida, iniciou a construção de diversas residências de alvenarias e de madeiras, dando princípio a um pequeno condomínio onde algumas residências já estão em fase adiantada de finalização.


Conforme relato do denunciante, no local possuía algumas nascentes que contribuía para a área úmida e, posteriormente, desaguava no riacho localizado no final do terreno. O terreno e as proximidades, já foram motivo de diversas denúncias ao longo dos últimos dez anos, com a presença do antigo Departamento de Florestas e Áreas Protegidas/DEFAP, Grupo Ecológico Sentinela dos Pampas, com danos ambientais, destruição de APPs e aterramento de banhados.

Gostou? Compartilhe