Hospitais de Passo Fundo recebem mais de R$ 13 milhões do governo estadual

Novos repasses contemplam quatro centros de saúde locais

Por
· 1 min de leitura
Divulgação/ON

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Quatro hospitais filantrópicos de Passo Fundo devem receber, no total, mais de R$ 13 milhões de reais provenientes de recursos estaduais. A tabela com os novos repasses monetários foi publicada na quinta-feira (17), data do anúncio da destinação do dinheiro feito pelo governador, Eduardo Leite (PSDB), em transmissão via internet.

A videoconferência também marcou a assinatura dos convênios para a liberação dos recursos, com a participação de 65 instituições hospitalares que receberam a verba ainda na quarta-feira (17), somando R$ 36,6 milhões. Outros 54 hospitais receberam R$ 35,8 milhões na segunda-feira (15). Os 39 hospitais restantes ainda estão com o convênio em tramitação na Secretaria Estadual de Saúde (SES), cujos valores somam mais R$ 20,5 milhões.

Em quatro parcelas, o Hospital de Clínicas de Passo Fundo (HC) foi contemplado com valores superiores a R$ 5 milhões de reais; enquanto o Hospital São Vicente de Paulo (HSVP) recebeu mais de R$ 8 milhões como reforço de caixa para combate à pandemia do coronavírus. O Hospital de Olhos Lions, embora preste exclusivamente consultas oftalmológicas, deve receber R$ 114,4 mil reais dos cofres públicos gaúchos. 

A verba, segundo a secretaria estadual de Saúde, poderá ser aplicada na compra de medicamentos, suprimentos, insumos, produtos e equipamentos hospitalares. Também pode ser utilizada em pequenas reformas e adaptações para aumento da oferta de leitos de terapia intensiva e na contratação e no pagamento dos profissionais de saúde necessários para atender a demanda adicional.

Os critérios de distribuição emergencial desta segunda parcela foram os dados epidemiológicos do avanço da doença, o número de leitos de cada hospital filantrópico que atende por meio do SUS e os valores da produção dos serviços ambulatoriais e hospitalares de média e alta complexidade realizados no ano passado. Também foram incluídos hospitais que haviam ficado de fora da primeira parcela.

Gostou? Compartilhe