Judiciário faz o que pode para amenizar falta de pessoal

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O presidente do Tribunal de Justiça do Estado, desembargador Leo Lima disse nesta sexta-feira em Passo Fundo que o Poder Judiciário está fazendo o que pode para amenizar a falta de pessoal no Estado que acumula 4 milhões de processos com apenas 8 mil servidores e 800 juízes.

Segundo ele, o problema de Passo Fundo não é isolado e comparado com as demais Comarcas, o Foro local está em uma das melhores situações.

Hoje a deficiência de servidores no RS é de 1,9 mil pessoas e de juízes ultrapassa o número de cem. “Uma das principais razões para esse quadro é a incongruência no Sistema Judicial. Ao mesmo tempo em que a Constituição diz que temos que criar comarcas e varas, temos a lei de responsabilidade fiscal que determina que só podemos gastar 6% da receita corrente líquida com pessoal sob pena de irresponsabilidade fiscal”, declarou o presidente do TJ.

O desembargador participou da inauguração do novo prédio do Fórum e afirmou que o município, com uma influência de 1,7 milhão de habitantes em 1.321 municípios é merecedor das novas instalações.

A diretora do Foro, Elizandra Cericato Villarroel, o prédio veio satisfazer uma exigência de anos que era dar condições de trabalho para os servidores, advogados e partes que buscam o Judiciário. Ela afirmou que agora há um ambiente adequado para atender a demanda, já que no antigo prédio, os processos já estavam sendo colocados nos corredores e nas salas de audiência.

O prefeito Airton Dipp, salientou que o município tem como meta um projeto de desenvolvimento econômico e social e a presença do Judiciário compatível com as suas necessidades é fundamental para o crescimento. “Esse novo prédio é importante, porque os servidores terão um local mais adequado para prestação de serviços e serenidade dos processos. Quem ganha é a população”, salientou Dipp.

As obras do prédio começaram em fevereiro de 2008 e o investimento foi de R$ 8,5 milhões com recursos próprios do Judiciário. A entrada do edifício está na rua Coronel Chicuta, 310, entre a Moron e Avenida Brasil.

 

Matéria completa na edição impressa e digital

Gostou? Compartilhe