OPINIÃO

Links falsos e apelativos na Internet

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

“Método estranho acaba com o ronco e vira febre em Passo Fundo. Veja!”. Essa é notícia publicada pelo navegador de internet, que abre automaticamente para que todos os internautas tenham acesso. Esse tipo de comunicação é denominada de “clickbait”, ou seja, uma isca para cliques ou caça-cliques. O estranho dessa notícia, que está publicada esta semana nos navegadores, é que ela quando acessada em outras cidades do país, mostra que o método e “a febre” está acontecendo na cidade aonde o internauta visualiza a notícia. Isso quer dizer que não é uma notícia verdadeira, mas sim uma propaganda enganosa e abusiva, um método que visa enganar as pessoas. Os órgãos de defesa do consumidor devem ficar atentos a esse tipo de publicidade, que oferece links falsos ou apelativos aos internautas com o objetivo de lucrar com essa atividade nada leal. Segundo o Professor e Doutor em Direito, Vinicius Borges Fortes, “nesses casos, o usuário do site que se sentir lesado deve procurar auxílio dos órgãos de proteção do consumidor e notificar o site sobre a presença de propaganda abusiva na estrutura de links patrocinados mantidos por eles, muitas vezes misturado ao conteúdo do site”. Esclarece Borges que “o site entra na cadeia de fornecedores e pode ser responsabilizado na hipótese de geração de danos ao usuário”.

Google condenado em caso de vídeo adulterado

O Google foi condenado a indenizar o candidato a prefeito Osmair Martins porque não retirou do YouTube um vídeo adulterado, cujo conteúdo demonstraria uma suposta tentativa de compra de votos na eleição para prefeito. A decisão do judiciário mineiro foi confirmada pela Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) em voto da relatoria da Ministra Nancy Andrighi. O valor arbitrado para os danos morais foi de R$ 50 mil, mas também o Google foi condenado a pagar R$ 150 mil de multa por atraso na retirada do vídeo do YouTube. Na decisão, o STJ levou em consideração os novos conceitos definidos na Lei n.º 12.965/2014 que estabeleceu novo marco civil da internet no Brasil, explicitando os conceitos de provedor de conexão e provedor de aplicação.

FRAGMENTOS

- Ovos de galinha são retirados dos mercados e armazéns em alguns países da Europa por causa de níveis elevados de um inseticida tóxico. O fato aconteceu na Alemanha, Holanda e Bélgica. A notícia foi publicada no Jornal The Guardian. São investigadas 180 granjas nos Países Baixos.

- A fábrica do brinquedo Lego, em Londres, informou que teve que recolher cerca de 120 mil peças do brinquedo em razão da distração de um funcionário. A empresa terá que reempacotar todos os produtos novamente. O fato aconteceu na fábrica de Billund, na Dinamarca, em 2015, mas os brinquedos não haviam sido distribuídos até a identificação do problema. O interessante é que a empresa não demitiu o trabalhador, preferindo investir 50 mil libras na melhoria da iluminação e rotulagem da fábrica, segundo informou a empresa.

Gostou? Compartilhe