OPINIÃO

Mariana Bola de Neve se sente diferente

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Quando o autismo caiu-lhe, literalmente, no colo; ao ter uma filha diagnosticada com o Transtorno do Espectro Autista (TEA), o escritor Marco Aurélio Barbiero não se resignou a aceitar o fato como mero desígnio divino e nem adotou a postura negacionista de muitos pais, que, embora merecedora do nosso respeito, relutam a aceitar a verdade. Teve o que podemos chamar de atitude proativa. Apoiado pela família, estudou o assunto com afinco e com a sua prosa refinada produziu obras seminais, genuinamente passo-fundenses, sobre a temática autista. A primeira foi “Mariana no mundo dos saltisonhos”, que lançou luzes sobre TEA na literatura local, e, em 2019, o livro infantil “Mariana Bola de Neve se sente diferente”. Dois livros que são complementares. O primeiro possibilitou que leigos tivessem um melhor entendimento do Transtorno do Espectro Autista e o segundo, voltado ao público infantil, visou a estimular o autoconhecimento da criança autista e a geração de empatia de quem convive com ela; especialmente a aceitação das diferenças no ambiente escolar.
Barbiero é um escritor de talento imensurável. Inspirado na experiência vivenciada com o tema do autismo soube criar personagens e cenas fictícias (ou nem tanto) que expressam mais a realidade do que a própria realidade. O seu texto não soa piegas e nem desperta compaixão. Ao contrário, aporta conhecimento e amplia a nossa visão humanista de mundo. A criatividade do escritor não tem limites. A construção das cenas do dia a dia da família Bola de Neve e a criação dos personagens Mariana, Larissa, Tonico, doutor Perfumado, doutor Óculos Grandes, etc. são primorosas. Culminando com a escolha do sobrenome Bola de Neve, para a personagem Mariana, que diz tudo, uma vez que bola de neve representa uma característica da maioria dos TEAs.
No mundo de Marianas e seus diferentes graus de TEA, apesar das palavras atenuadas do texto de Barbiero, nem tudo são flores. A convivência com uma criança autista não é fácil. Afinal, é preciso entender uma criança que não gosta de experimentar coisas novas, que tem medos que para a maioria podem parecer infundados, que não suporta barulhos e nem odores fortes, que se apavora com animais, que se preocupa com detalhes, que tem dificuldade de integração e pode ser indiferente ou não apreciar demonstrações de afetos e que, não raro, pode ter “chiliques” que, para os desavisados, aparentam apenas birra. Felizmente, realça Barbiero, o avanço da Medicina e do conhecimento geral sobre TEA, com intervenções precoces e o uso de terapia intensiva e atenção multidisciplinar, estão a demonstrar que bons resultados são alcançáveis.
Enfim, eis um livro local (quem disse que não temos escritores locasi?), produzido pelo selo Saluz da Editora do IFIBE, raro e importante. Edição bem cuidada sob a coordenação de Rodrigo Roman, diagramação de Diego Ecker e ilustração de Dirceu Veiga. É o primeiro da linha infantil da série Autismo, indicando que outros estão sendo gestados. Aguardamos!
Ouso sugerir, sem qualquer pretensão a autoridade, que o livro “Mariana Bola de Neve se sente diferente”, de Marco Aurélio Barbiero, deveria ter seu uso priorizado nas escolas, começando por Passo Fundo e atingindo outras esferas. Fica a dica ao senhor secretário de educação de Passo Fundo, professor Edemilson Brandão, e as coordenadorias pedagógicas das escolas locais. O livro trabalha, essencialmente, de como podemos lidar melhor com as diferenças. E se quisermos construir uma sociedade que seja “indiferente às diferenças”, sejam elas de credo político ou religioso, raciais ou de orientação sexual, apenas como exemplos, devemos começar pela Educação. A leitura de “Mariana Bola de Neve se sente diferente” seria útil, inclusive, para muitos adultos que, por ora, destilam seus ódios pelas redes sociais, sem entender que a única indiferença que não se justifica é sermos indiferentes às diferenças sociais que avultam a dignidade da pessoa humana.

Gostou? Compartilhe