OPINIÃO

Melatonina pode ajudar no combate ao câncer de mama

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Um estudo publicado na "Genes and Cancer", feito por pesquisadores da Michigan State University (MSU), indica que a melatonina, hormônio regulador do sono, produzido pelo cérebro, pode suprimir o crescimento de tumores cancerígenos na mama.
Segundo David Arnosti, coautor do estudo, o que torna este trabalho tão especial é a compreensão do comportamento dos genes em seu ambiente natural e como eles interagem mediante a uma doença.
Epidemiologistas e experimentalistas têm criado conexões entre o fato de a sociedade atual dormir menos e a incidência de câncer de mama nas mulheres, já que a melatonina é produzida durante o sono.
No estudo conduzido pela pesquisadora Juliana Lopes, de São Paulo, os cientistas proliferaram tumores a partir de células tronco, conhecidas como "mamosferas". O crescimento de tais mamosferas foi feito com estrogênio natural e estrogênio químico, como o bisfenol A, ou o BPA.
O tratamento com melatonina diminuiu consideravelmente o tamanho das mamosferas. "Este trabalho estabelece o princípio pelo qual o crescimento de células cancerígenas pode ser regulado por hormônios naturais, além de fornecer uma nova técnica importante para identificar quais produtos químicos promovem o câncer e quais drogas podem ser utilizadas medicinalmente", explica Lopes.
O câncer de mama é responsável por mais de 20.000 mortes no Brasil a cada ano e, apesar de ser uma doença com métodos diagnósticos acessíveis e baratos, ainda apresenta uma grande prevalência em nossa sociedade.

Nicolas Lazaretti - oncologista do Centro Integrado de Terapia Onco-Hematológica (CITO). Responsável Tumores Genitourinários, Ginecológicos, Tumores de Mama e Sarcomas.

Gostou? Compartilhe