Ministério Público do Trabalho reverte R$ 407 mil para hospitais de Passo Fundo

Serão adquiridos sete ventiladores pulmonares, 600 unidades de sistema de aspiração traqueal fechado e 96 mil luvas para o HSVP e HC

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

  O Ministério Público do Trabalho (MPT) reverteu R$ 407.989,37 para os hospitais São Vicente de Paulo (HSVP) e de Clínicas (HC), de Passo Fundo. A ação considerou o momento atual, em que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou os casos de doenças causadas pelo novo coronavírus (COVID-19) notificados em todos os continentes configuram pandemia e que, diante do alastramento da doença, já se considera estado de transmissão comunitária do coronavírus (covid-19) no Brasil.

Do valor total da verba, o Hospital São Vicente receberá R$ 237.500 para adquirir cinco ventiladores pulmonares mecânicos microprocessados, cujos valores individuais são estipulados em R$ 47, 5 mil, para assistência ventilatória pediátrica e adulta, a partir de 5kg de peso, com modos ventilatórios invasivos e não invasivos de alta performance, ciclados a tempo e a fluxo, com controle de pressão e volume. O Hospital de Clínicas, por sua vez, vai receber R$ 170.489,37 para comprar dois ventiladores pulmonares, 600 unidades, com custo de R$ 94,80 cada, de sistema de aspiração traqueal fechado, mais 966 caixas com 100 unidades luvas para procedimentos.

A partir de solicitação da procuradora do MPT em Passo Fundo, Priscila Dibi Schvarcz, ainda na quinta-feira (26), a rede de Farmácias São João concordou em antecipar o pagamento das últimas sete parcelas mensais, de R$ 45.830 cada, que venceriam entre 11 de abril e 11 de outubro 2021, totalizando R$ 320.810. O valor é parte da quitação de acordo celebrado em 4 de outubro de 2019, onde a empresa de medicamentos foi multada em R$ 1,1 milhão de reais por violação da jornada de trabalho em 43 filiais. Os demais R$ 87.179,37 decorrem de destinação dlhoe valor de ação civil pública. "Em face da realidade, o MPT vem realizando levantamento de recursos disponíveis em ações judiciais e em procedimentos extrajudiciais, com vista a priorizar a aquisição de materiais e equipamentos médicos necessários ao combate da pandemia COVID-19", afirmou Priscila. 

 

   

Gostou? Compartilhe