Município destina R$ 1,5 milhão para construir Escola dos Autistas

Escola terá 900 metros² em área da Cohab Secchi a ser doada pelo município

Por
· 2 min de leitura
Escola funciona com estrutura provisória no Santuário Nossa Senhora Aparecida

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A Escola dos Autistas será uma realidade em pouco tempo. O prefeito Luciano Azevedo anunciou ontem a destinação de R$ 1,5 milhão para a construção da escola. O recurso faz parte do total de R$ 3,5 milhões que o município recebeu no fim do ano passado, provenientes do leilão de cessão onerosa do pré-sal. “Desde o início do governo buscamos melhorar a estrutura da Escola dos Autistas. Agora, com esse recurso, podemos efetivamente construir uma escola que atenda as necessidades e propicie cada vez mais o desenvolvimento dos autistas e o acolhimento das famílias”, destaca Luciano.

 

O projeto está sendo realizado pela Secretaria de Planejamento. Segundo a secretária da pasta, Ana Paula Wickert, o projeto atenderá as necessidades da Escola dos Autistas e da Associação dos Amigos da Criança Autista (Auma). “A licitação deve ocorrer no primeiro semestre e a obra deve durar em torno de um ano”, informa Ana Paula.


A Escola será construída na Avenida Zero Hora, da Coahb Secchi, numa área de 1,8 mil m², que será doada pelo município. O prédio terá 900 m² e vai contemplar espaço para a Associação dos Pais, além de atendimento para as necessidades deste público. O vereador Saul Spinelli, PSB, vem acompanhando a luta da Associação há muitos anos. Como presidente da Comissão de Educação da Câmara realizou diversas reuniões para tratar do tema. Ele destacou a importância da obra e o que ela significa para os autistas de Passo Fundo e região. “estamos muito agradecidos pelo gesto do prefeito Luciano Azevedo, que teve a sensibilidade de utilizar um recurso que chegou de forma extraordinária para contemplar uma reivindicação de mais de duas décadas”.

 

O presidente da Associação dos Amigos da Criança Autista (Auma), Emerson Drebes, lembra que em março a associação completa 21 anos, por isso, a construção da escola é um sonho que se realiza. “Desde o início esse é o objetivo, ter um espaço exclusivo para nossos autistas, onde eles pudessem ter um ensino de qualidade, especializado na área, para focar sempre nas habilidades e independência. Essa conquista da sede própria da escola e do centro de atendimento integrado para o autista é muito importante. A Escola Municipal de Autistas Professora Olga Caetano Dias já desempenha um ensino maravilhoso, porém, em um local ainda adaptado. Com a construção do espaço, com certeza Passo Fundo se tornará referência no atendimento aos autistas”, finaliza.

 

Atendimento


Hoje, a Escola de Autistas atende aproximadamente 68 alunos. Para a diretora Enoir Santana, “o anúncio de oficializar a construção da escola é a melhor atitude em 20 anos desde que existe a associação. Sou professora da rede há 30 anos e há um ano estou na direção da Escola de Autistas, mas a associação vem fazendo um longo trabalho. Estamos animados com o projeto e a estrutura adequada para atender melhor os alunos”, afirma. Atualmente, a escola funciona com estrutura provisória no Santuário Nossa Senhora Aparecida e está com mais de R$ 100 mil de aluguel atrasado, por conta da falta de repasse dos recursos pelo Estado.



Dinheiro do Pré-sal


Os critérios para distribuição dos recursos para os Estados e municípios foram definidos pela Lei nº 13.885/2019. Ficou determinado que a União destinaria 30% do que arrecadasse no leilão aos entes federados. Estados e Distrito Federal receberam 15% desse valor, sendo a distribuição de dois terços dos recursos (10%) conforme os coeficientes do Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal (FPE). O restante foi dividido de acordo com o índice que considera a desoneração prevista pela Lei Kandir (2,5%) e o Auxílio Financeiro para Fomento das Exportações (2,5%).

 

Entre os municípios, 15% dos recursos foram distribuídos de acordo com os coeficientes do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Conforme a legislação, os recursos devem ser destinados para cobrir déficit previdenciário e/ou investimentos.

 

 

Gostou? Compartilhe