OPINIÃO

Natal! Melancólico?

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?


Fiquei feliz ao ser convidado para participar do excelente programa Emoção, Afeto e Comportamento do colega Érico Heckteuer na última terça na Rádio Uirapuru. Tecemos considerações à cerca do sentimento nostálgico e, muitas vezes, melancólico desses momentos de fins-de-ano. Considerei que o natal, como nascimento de Jesus e as reflexões inerentes a esse acontecimento histórico-metafísico-religioso, não necessariamente se reveste de melancolia. Chegaremos, se assim se dispuser, à fé por caminhos diversos. O primeiro deles se dá pela coação-imposição que brota na infância: Deus-Jesus é imposto pelos pais, professores e sociedade. A criança não discerne, aceita. O natal não lhe é melancólico, a não ser que não ganhe presentes natalinos. O que lhe interessa é o agrado material. O segundo caminho surge na adolescência-questionamentos quando se contestam todas as convenções. O pai-quadrado, a mãe-ultrapassada, a ceia natalina-conveniência social acompanhada de orações e discursos enfadonhos. Os adolescentes geralmente comparecem porque os pais exigem. E, na madurez temos outra percepção do natal, agora com convicções, sem coação e sem os arroubos imberbes. O natal, então, passa a calar mais fundo. Assistimos aos surrados filmes natalinos norte-americanos que geralmente versam sobre descrentes que são submetidos a histórias de milagres e, enternecidos, ficamos com os olhos marejados. Alguns filmes escancaram nossas limitações e o quanto estamos longe do Criador. Essa atmosfera é severamente ampliada porque há uma semana do final do ano, ao passamos a régua, geralmente brota o grande conflito existencial entre o que pensamos e o que fazemos. O scout mostra pontos positivos e negativos, mostra perdas, mostra falta de recolhimento, o olhar para dentro de nós mesmos e ficamos entristecidos por tudo o que deixamos de fazer. Talvez se o natal caísse em maio, distante do final do ano e das autocobranças, não fosse melancólico.
Vejam bem, natal: homenagem ao nascimento do Filho de Deus – melancolia. Páscoa: crucificação do filho do carpinteiro e não lembro de ficarmos melancólicos nesta data, ao contrário, estamos envolvidos com as crianças e os ovos trazidos pelo coelhinho. A alegria seria para o milagre da imortalidade-ressuscitação, transformação da vida material em eternidade?
Será sempre assim para muitos de nós, alegrias ou melancolias se não dispusermos a refletir mais a fundo sobre nossas existências. Sempre digo que fazemos a travessia, vida é travessia, Moisés atravessou o deserto, nós também podemos; a travessia tem que ser em alto estilo e nada pode ser em alto estilo se não entendermos quem somos nós e o que queremos; e de nada disso saberemos se não conversarmos com nós mesmos.
Érico lembrou uma crônica publicada no O Nacional em 31.12.2011 assinada por mim que tem o título Ano Novo, Vida Velha. Li e percebi que estava tão bem escrita que duvidei que fosse de minha lavra. É sobre isso que está disposto aqui. Entre 2011-2016 evoluí espiritualmente e tenho boas chances de não ficar melancólico. Mentira, mentira, mentira porque sempre ficaremos com a sensação de que, embora muito tenhamos feito, houve muito que deixou de acontecer. E o que não houve e o que não foi tem a nossa participação direta ou indireta.

Gostou? Compartilhe