Novos semáforos em funcionamento

Apesar da polêmica em torno de mais uma medida de eficiência controversa para o trânsito passo-fundense, sinaleiras instaladas nas ruas Fagundes dos Reis e Benjamin Constant começaram a funcionar neste final de semana

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Redação ON

Instaladas no início deste mês, as sinaleiras localizadas em cruzamentos da rua Uruguai com as ruas Fagundes dos Reis e Benjamin Constant permaneceram estáticas até a semana passada, mas já deram o que falar entre os motoristas passo-fundenses desde sua controversa aparição. Em funcionamento desde a tarde da última sexta-feira, 16, os semáforos têm gerado polêmica e ferrenhos questionamentos a respeito de sua necessidade - uma história que tem tudo para ser parecida com o recente caso da mudança de sentido de um trecho da Moron. Localizado próximo ao Colégio Marista Conceição, onde a própria instituição tem tomado medidas para desafogar o trânsito na região, o semáforo visa "proporcionar mais segurança para motoristas e pedestres", como explica o próprio secretário de Mobilidade Urbana, Adelar Aguiar.

Alguns metros antes, no cruzamento da Uruguai com a Benjamin Constant, a sinaleira instalada tem a clara função de reduzir o risco de acidentes no local, já que a região próxima ao Clube Recreativo Juvenil é uma das que mais registra ocorrências de trânsito por conta da velocidade dos motoristas. A mudança acompanha outras transformações nas redondezas, entre elas a pavimentação asfáltica da rua Benjamin Constant. "O asfaltamento do trecho final foi importante para reduzir o fluxo da Uruguai", avalia o vereador José Eurides. Nas próximas semanas serão colocados redutores de velocidade no local - o que gera um novo capítulo na polêmica, agora em função do limite de 50km/h, repreendido pelo vereador por ser alto, enquanto é defendido por Aguiar em função do próprio semáforo. "Não poderíamos ter limite de 50km/h no semáforo e 30km/h logo abaixo", esclarece o secretário.

Não bastasse isso, ainda há divergências a respeito da colocação de ambas sinaleiras por causa do aclive das ruas. Para Eurides, a alteração não obedece a uma recomendação da engenharia de trânsito, que orienta a não instalação de semáforos em vias que possuem mais de 9% de aclive - o que representa 90cm de diferença de nível a cada dez metros - sob pena de dificultar o arranque de veículos pesados. No caso da subida da Fagundes, o aclive é de aproximadamente 15%. Mas Adelar devolve: "Não nos foi apresentada nenhuma indicação negativa quanto à colocação do semáforo naquele local. Isto que o vereador fala é uma indicação, não uma proibição", insiste. Com tantas polêmicas envolvendo a modificação, o secretário deixa claro que haverá um período de teste. "Vamos fazer o monitoramento no local por 60 dias e, se houve a análise de que não atingimos resultados positivos, podemos rever a medida", conclui.

Gostou? Compartilhe