OPINIÃO

O cartão de Natal dos Du Bois

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Quem imaginar que a criatividade dos cumprimentos dos festejos de final de ano resume-se aos protocolares “Feliz Natal e Próspero Ano Novo” ou que, nessa época, nos resta apenas a resignação da espera pela volta da Simone cantando a surrada versão da música “Happy Xmas (War Is Over)”, gravada, em 1971, por John Lennon e Yoko Ono, como forma de protesto contra a Guerra do Vietnã, certamente, não recebeu o “cartão” de Natal 2019 dos Du Bois.
Tânia e Pedro Du Bois, casal de passo-fundenses radicado em Balneário Camboriú, mas que mantém estreita vinculação com as atividades culturais locais (presença nas Jornadas de Literatura, nas Feiras do Livro e publicando obras pelo selo editorial do Projeto Passo Fundo Apoio à Cultura, por exemplo), esse ano, inovou, na forma de enviar seus cumprimentos natalinos, por meio da produção de um pequeno livro (16 páginas) com textos de Tânia e poemas e ilustrações de Pedro.
O livro NATAL 2019 abre com a dedicatória “Amigos, desejamos boas festas, com alegria e amor”, e segue, com um breve poema de Pedro, destacando que “a magia do Natal está nas palavras que iluminam nossos corações”, e texto de Tânia que faz uma reflexão sobre o Natal como o tempo dos desejos. Em essência, Tânia e Pedro rememoram natais como um fio que nos conduz a uma outra vida, a uma outra infância, aquela que desejaríamos ter vivido, mas que não necessariamente vivemos. Ainda que Papai Noel não exista, e Tânia e Pedro são sabedores disso, a sua figura de símbolo de bondade e solidariedade, pode ajudar as crianças a lidarem melhor com a realidade por meio da fantasia, uma vez que, antes das significações e dos conceitos, pode despertar o desejo de existir. Os Du Bois são originais ao definirem cartão de Natal como “sinais marcantes na expressão dos sentimentos” e Natal como “encontro entre presentes”.
O cartão de Natal dos Du Bois, felizmente, chegou para mostrar que inovar é sempre possível, mesmo numa temática conservadora como o Natal. O Natal não se resume nem a Simone aos brados “Então, é Natal/ E o que você fez?/ O ano termina/ E nasce outra vez” (...) “Então, é Natal/ Pro enfermo e pro são/ Pro rico e pro pobre/ Num só coração”; e nem aos versos engajados do acadêmico e cordelista Aldemar Paiva, no seu monólogo de Natal, “Não gosto de você, Papai-Noel, também não gosto desse seu papel de vender ilusões à burguesia... Se os garotos humildes da cidade soubessem do seu ódio à humanidade, jogavam pedras nessa fantasia!”. Aldemar Paiva retrata, pela história de um menino pobre que sonhava com o Natal e cujo pai para fazer cumprir o seu sonho havia cometido um desatino, que, enquanto existir pobreza e injustiça no mundo, nenhum homem poderá ser efetivamente feliz.
O ano de 2019 foi prolífico para produção literária de Tânia e Pedro Du Bois. Pedro publicou os livros de poemas “O vendedor de cadeiras e outros poemas” e “Limites e outros exageros e alguns poemas”, e Tânia a coletânea de crônicas “Na sombra dos sentidos”. Todos pelo selo editorial do Projeto Passo Fundo Apoio à Cultura, que reforça o vínculo cultural de Tânia e Pedro com a cidade de Passo Fundo, ao escolherem uma editora local para publicar seus livros.
De Pedro Du Bois, compartilho, do livro “O vendedor de cadeira e outros poemas”, os versos de “O Mascaramento”: “A esterilidade mascarada em filhos gerados no seguimento do nome./ Desmascarado o homem se contempla em não acontecimentos./ Reaparece de forma antagônica e a agonia do recado./ A farta distribuição de balas e biscoitos antes de a porta ser fechada entre máscaras.” E de Tânia, do livro “Na sombra dos sentidos”, um excerto da crônica “Amavisse” (verbo em Latim que significa ter amado): “Acredito que há versões sob medida e, muitas vezes, o fato de haver amado me leva a fantasias como chaves para viver o cotidiano. Sinto a necessidade de fugir das limitações. ”
Eu finalizo com a força da mensagem dos versos da página 9 do livro/cartão de Natal dos Du Bois: “Iluminar as mentes para que a revelação não se perca nas trevas que nos ameaçam! ”. Era isso. Feliz Natal!

Gostou? Compartilhe