OPINIÃO

O Clube da Puta - acho que você deveria lê-lo

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Hoje no bar Yuca 626, Eleutério quase Paissandu (se é que você ainda não sabe) no final da tarde minha menina Georgia lançará seu primeiro livro nominado O Clube da Puta. Li-o criticamente, mesmo para dar sugestões, com a maior leveza possível, para não ofender a autora. Tem que ser assim porque o escrito fica e, como dizia Valfrido Canavieira, ex-prefeito de Chico City (personagem do imortal Chico Anísio): palavras são palavras, nada mais que palavras. E o vivido deve ser observado, documentado e compartilhado se for para o engrandecimento.

Você que está na plenitude da juventude deveria ler esse livro porque retrata com a profundidade necessária, sem ser maçante, as preocupações de uma geração libertária herdeira de um país confuso político-economicamente, ao ponto de que uma considerável fatia de jovens e adolescentes considerarem seriamente a possibilidade de chutar o balde e se mandar pra qualquer lugar onde possa haver paz social e oportunidades de crescer profissionalmente. O Clube da Puta aborda mazelas, massacres, miscigenação; aborda histórias de adolescentes mortificados pelas experiências dos relacionamentos falidos e das desgraças pequenas ou grandes que habitam o cotidiano das vidas deles. Fala de anseios, fala de referências, fala de pais e professores, também. Acrescenta com exemplos referenciais os seriados que os adultos desconhecem e que carregam pequenas-grandes angústias pelos dramas da vida que inicia, dramas de relacionamentos com os pais, namorados-namoradas, amigas, enfim. Além de compartilhar pequenas-grandes tragédias oferece reflexão crítica e estimula reações às intempéries do cotidiano no que toca ao mais difícil dos convívios, o dos relacionamentos humanos. Você que é cinquentão-sessentão como eu também deveria lê-lo. Porque estampa o mundo que nossos filhos vivem e habitam e não contam pra gente. Ora, sempre quisemos saber o que pensam, os dramas que vivem e que, como nossa geração, segredamos migalhas para nossos pais. Entre nós e nossos jovens filhos há uma distância de 30-40 anos e muitas coisas são outras, tão outras que parecem ser o avesso do avesso do avesso do avesso, miríades de ideias on-line que confunde pais e professores. Nada melhor do que eles exteriorizar os abalos e as decepções, nada melhor que assisti-los em suas revoluções de pensamentos.

Sabe de uma coisa: eles estão em outra vibe, eles pensam diferente de nós, eles têm as redes sociais, suas informações são instantâneas, não querem se escravizar e a maneira com que se relacionam é muito diferente de nós velhotes.

O Clube da Puta não é sobre putaria, é sobre preconceitos, sobre relacionamentos, sobre expectativas de um mundo compartilhado entre pessoas de pensamentos diferentes escrito com a mão e o coração de uma garotinha de apenas 23 anos, aquela mesma que levamos ao Colégio Conceição há 18 anos para seu primeiro dia de aula. Escreve muito melhor que seu pai; não deveria ser diferente, é para isso que existem pais e professores – para criar gente melhor que nós.

Gostou? Compartilhe