OPINIÃO

O fim da certeza absoluta

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Aristóteles (ajudado pela teologia cristã) foi senhor absoluto do pensamento ocidental durante quase dois mil anos após a sua morte. Veio o Renascimento e a revolução científica desencadeada por Copérnico, Galileu, Descartes, Bacon e Newton deixou para trás a visão medieval de mundo e pôs por terra o pensamento aristotélico. Começava a ganhar forma (e força também) uma visão mecanicista do mundo, especialmente a partir do pensamento de René Descartes e da física clássica de Isaac Newton, que, independente de todos os avanços no conhecimento dos últimos cinco séculos (desde o século 16), ainda perdura (com virtudes e defeitos) até os dias atuais.

René Descartes (Renatus Cartesius, na forma latinizada), 1596 -1650, foi o responsável pelo rompimento definitivo com a escolástica medieval. A sua busca por distinguir o verdadeiro do falso, com base na certeza das leis matemáticas, a partir da decomposição de um problema em suas partes mínimas, e consubstanciado na filosofia do “penso, logo existo” (cogito, ergo sum), deu origem à concepção cartesiana de um universo mecanicista, que influenciou decisivamente a obra de Isaac Newton (1643-1726) e, de resto, toda a física clássica (na qual se sobressai a mecânica newtoniana).

Nos últimos 150 anos, novas teoria e algumas grandes descobertas revolucionaram o pensamento científico. Ainda na segunda metade do século 19, o mundo viu surgir a teoria da evolução (Darwin), descobriu-se as leis da hereditariedade (Mendel), formulou-se a teoria das células (Rudolf Virchow), começou a moderna embriologia e houve a ascensão da microbiologia (Pasteur, “germes” e doenças), além das leis da termodinâmica. No começo do século 20, a física quântica e suas interconexões veio para abalar de vez os alicerces da física clássica, disseminando, por contágio, seus princípios para a mais diversas áreas do conhecimento. E, não obstante, os avanços na psicologia, o surgimento da ecologia e da teoria geral dos sistemas, Descartes e Newton ainda fazem valer a sua força no agir e pensar de muitos cientistas (e no comportamento das pessoas no dia-a-dia) neste começo de século 21.

A grande crítica ao pensamento de Descartes (pensamento analítico) é que o comportamento do todo não pode ser compreendido somente a partir das propriedades das partes. Surgiu, para fazer frente à visão cartesiana de mundo, o enfoque sistêmico. Nele as propriedades essenciais do todo, de fato, surgem das relações entre as partes. Onde a compreensão de qualquer fenômeno exige a sua contextualização em um todo mais amplo. O que significa dizer que o todo tem certas qualidades e propriedades que não aparecem nas partes quando elas se encontram separadas. E isso se aplica tanto para sistemas físicos quanto para sociais. Não obstante, compete dizer que o pensamento analítico não está morto (e que deixou grandes contribuições também), embora não seja suficiente para o entendimento maior da complexidade dos fenômenos naturais e sociais do mundo de hoje. Pois, é preciso separar, mas também é necessário juntar.

A visão mecanicista de mundo separa o objeto conhecido do sujeito conhecedor. Isso, muitas vezes, impede a percepção do novo, dificultando avanços no conhecimento. No seu rastro surgiram as disciplinas científicas e as hiper-especializações, que, sem a percepção dos próprios atores, em certos casos, transformam os especialistas em idiotas culturais, incapazes de terem idéias gerais e pensarem os problemas globalmente. Não é fácil, para alguém dotado de um forte espírito corporativo disciplinar, aceitar que as grandes descobertas e novas teorias se dão em domínios intermediários. A visão sistêmica veio para pôr um fim ao valor dado pelos mecanicistas de verdade quase absoluta à indução e de verdade absoluta à dedução. Certeza absoluta só Deus.

Gostou? Compartilhe