OPINIÃO

O mundo da ciência e suas idiossincrasias

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?


A ciência evolui corrigindo os erros que vão sendo acumulados ao longo da trilha do tempo. Os erros surgem pela incapacidade humana de conhecer plenamente o mundo empírico que nos rodeia ou quando são adotados e prevalecem prejulgamentos equivocados sobre a realidade das coisas. A falta de referencial teórico ou de aparato tecnológico para viabilizar a refutação experimental ou teórica de hipóteses, não raro, ajuda a perpetuar verdadeiras aberrações que são tidas como corretas. Isso posto, pode aparentar que o progresso científico é dependente de ideias novas e que ideias novas são sempre bem-vindas no mundo da ciência. Será que é bem assim?
Dois estudos relativamente recentes – “Does Science Advance One Funeral at a Time?”, assinado por Pierre Azoulay, Christian Fons-Rosen e Joshua S. Graff Zivin, e “Bias against Novelty in Science: A Cautionary Tale for Users of Bibliometric Indicators”, de Jian Wang, Reinhilde Veugelers e Paula Stephan – que estão disponíveis para download gratuito no sitio internet do The National Bureau of Economic Research (http://www.nber.org) mostra que a realidade pode ser outra e que ideias novas nem sempre são muito bem-vindas no seio das corporações científicas e entre os membros dos colégios invisíveis que se estabelecem nos meios acadêmicos.
O primeiro estudo destaca que a presença de cientistas proeminentes em determinadas áreas do conhecimento em vez de incentivarem a entrada de novos pesquisadores no seu campo de atuação, não raro, pelo seu comportamento, desencorajam quem tem ideias diferentes das suas. O questionamento explicitado no título do artigo lembra o vaticínio genial de Max Planck que “uma nova verdade científica não triunfa pelo convencimento dos seus oponentes e nem se fazendo com que eles vejam a luz, mas sim porque esses oponentes eventualmente morrem e uma nova geração cresce já familiarizada com a nova teoria”. Em outras palavras, Max Planck disse que a ciência avança de funeral em funeral, ou, se preferirem, numa versão mais literal, a cada funeral. Os autores do artigo, para testar a hipótese de trabalho, usaram o caso de 452 acadêmicos considerados eminências nos meios científicos e que, por variadas circunstâncias, morreram prematuramente, antes de entrarem na fase de pré-aposentadoria ou de passarem a ocupar cargos administrativos. A conclusão foi que à sombra desses eminentes cientistas orbitavam os colaboradores que, depois da morte desses, perderam espaço e outros grupos, que, em geral pensavam algo diferente, ganharam maior relevância em publicações especializadas e na obtenção de financiamentos de projetos de pesquisa nas agencias de fomento, até então dominadas pela mão invisível do pensamento do cientista falecido. A tática usada para a rejeição ao novo não é tão óbvia e evidente no mundo acadêmico, mas são poucos os que ousam desafiar o pensamento dos luminares. A recompensa pela ousadia pode ser grande e, não raro, o custo maior ainda.
O segundo estudo lidou com o viés que há na comunidade científica em relação a ideias novas, especialmente no campo das citações bibliográficas, e na escolha de temas para dissertações e teses ou projetos de pesquisa, que, na teoria, deveriam primar pela originalidade e pela busca do avanço no conhecimento. O diferente, ainda que relevante, não costuma florescer de imediato e nem receber reconhecimento no curto prazo. Realizar uma pesquisa acadêmica baseada no novo, primando pela busca de inovação, pode levar a resultados de grande impacto, mas também carrega a incerteza de que não seja alcançado qualquer impacto. E, apesar da atrativa relação “risco alto/ganho alto”, num meio dominado pela tirania das métricas de produtividade acadêmica, nem todos estão dispostos a ousar ou esperar pelo reconhecimento de originalidade que, em geral, vem tardiamente.
Eis duas idiossincrasias que lembram o paradoxo da estupidez funcional que desencoraja o “pensar diferente” no mundo acadêmico.

Gostou? Compartilhe