OPINIÃO

O prefeito desejado

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Essa semana o saiu nas redes sociais uma análise da performance politica e das possibilidades dos pré-candidatos à prefeitura de Passo Fundo feita pelo jornalista Polibio Braga. Imediatamente começou a circular um desejo de que tivesse, o futuro prefeito, as características de probidade semelhantes aos do prefeito da cidade de Colatina (Espírito Santo), o senhor Serginho Meneguelli do então PMDB (olha como também tem gente boa nesse partido). É que ele divulga imagens na rede, em que aparece em ações sociais em favor dos desfavorecidos, com a mão na massa, pintando casas, ajudando a erguer paredes, destinando seus proventos às causas sociais. 

Beleza, queremos um cara assim para conduzir os destinos da cidade. Alguém da análise de Políbio se encaixaria nesse perfil?

Então, recolhi-me ao livro quase desconhecido de Alberto Carlos de Almeida intitulado A Cabeça do Brasileiro, publicado em 2007 e adquirido pelo signatário em agosto do mesmo ano. Na época o autor era colunista do jornal Valor Econômico e professor da Universidade Federal Fluminense e realizava uma pesquisa mensal sobre consumo, economia e política através do Pulso Brasil da Ipsos Public Affairs. Foram realizadas 2363 entrevistas nas cinco regiões e sorteados 102 municípios de maneira aleatória em que foram consideradas respostas das 27 capitais e outras 75 cidades. A pesquisa foi feita no ano de 2002.

O livro (resultado da pesquisa e criticado-elogiado na mesma proporção) conclui que grande parte da população tem escolaridade baixa e que obedece às seguintes características: apoia o jeitinho brasileiro, é hierárquica, é patrimonialista, é fatalista, não confia nos amigos, não tem espírito público, defende a lei de Talião, é contra o liberalismo sexual, é a favor de mais intervenção do estado na economia e é a favor da censura. Assim pensava a fatia maior dos entrevistados há quase 20 anos. O conservadorismo dos costumes e o repúdio à extorsão escancarada dos cofres públicos e a criação criminosa da universidade panfletária onde 90 por cento dos professores das ciências humanas são de esquerda empurraram o candidato Jair Bolsonaro, evitado por quase todos os partidos, a se eleger num partido nanico criado apenas para acolher sua candidatura. O Brasil conservador apenas esperava alguém conservador, alguém novo, com discurso forte que desbocadamente dissesse o que se gostaria de dizer e ele surgiu na figura do ex-militar.

O francês Alexis de Tocqueville tinha um modelo de análise de comportamento simples e inteligente e mostrou a diferença entre o modo de pensar do cidadão norteamericano e francês .A sociedade norteamericana é, ao mesmotempo, agitada e entediante. Agitada porque todos os homens estão em constante busca de mais bem-estar e entediante porque todos são iguais e parecem aspirar as mesma coisas. Em concordância com Roberto da Matta (o Tocqueville brasileiro) o Brasil não tem tradição democrática e, sim, hierárquica onde grupos sociais elevados se movimentam para obter coisas diferentes das pessoas de posição social inferior. Uma sociedade hierárquica se acostumou a perguntar: sabe com quem você está falando? Uma sociedade democrática pergunta: quem você pensa que é?

Tudo bem, queremos o perfil do prefeito de Colatina. Mas, lá em Colatina maioria tem o perfil do prefeito? Qual é o perfil do passofundense? Quem vai dizer o que o povo quer dizer? Qual é a cabeça do passofundense?

 

Gostou? Compartilhe