OPINIÃO

O universo nerd domina

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Universo NERD em polvorosa neste final de semana, no cinema e na televisão.

No cinema, a dica é simples: se você tem intenção de ver algum filme que não tenha super-heróis, garimpe bem nos horários dos 3 cinemas da cidade. Em um deles todos os horários pertencem à última aventura do Universo Cinematográfico Marvel, “Os Vingadores – Ultimato”. Nos outros, o filme ocupa a maior parte dos horários ou tem a primazia total de alguma(s) sala(s).
O que acontece em Passo Fundo não é fenômeno isolado, obviamente. O filme da Marvel ocupa 80% das salas de cinema DE TODO O BRASIL. Oitenta por cento. Em todas as salas do país, de cada dez, apenas duas estarão exibindo alguma coisa. E dentre os 80%, tem para todos: dublado, legendado, 2D, 3D.

Se você busca outras opções, não critique a distribuição, somente. O que acontece é reflexo do público consumidor. Há duas semanas, em dia de meio ingresso, fui ver um o novo filme de Jordan Peele e, junto de minha esposa e eu, havia apenas 15 pessoas na sala. Os exibidores não hesitam em tentar lucrar ao máximo com os filmes-evento que atraem multidões, e a culpa não é só deles. Se a ocupação das salas ao longo do ano em outras produções fosse mais constante, talvez a situação fosse diferente – e aí o ciclo se retroalimenta com a ausência de público por conta do alto preço dos ingressos e de tudo que acompanha a experiência: o estacionamento, a pipoca, o lanche, etc, já que os cinemas hoje pertencem aos shoppings e tudo é inflacionado.
O cenário que acompanha a invasão dos heróis hoje, portanto, é um reflexo de uma ciclo que se retroalimenta e promove a velha questão de quem veio primeiro: o público não frequenta os cinemas porque faltam opções e é caro ou faltam opções e é caro porque o público não frequenta e os exibidores precisam tentar recuperar o investimento aumentando o custo?

Posto de lado o cenário de domínio, o filme dos irmãos Russo tem colecionado mais elogios dos fãs do que críticas. Alguns críticos, como o da Folha de São Paulo, detestaram o filme, mas nas justificativas há mais de rancor do que propriamente de análise. Muitos críticos têm apontado o que me parece o mais importante, depois de 22 filmes: encerrar um ciclo com um presente aos fãs que ao longo desses anos depositaram bilhões nas contas da estúdio, elogiando o respeito emocional aos personagens, apesar das gorduras narrativas apontadas. Vou ver o filme no sábado, e na semana que vem posso falar mais dele. 

****

A segunda despedida está em andamento: o domingo reserva a exibição do terceiro episódio da última temporada de Game of Thrones (serão apenas seis episódios). O marketing em cima deste episódio é alto: será quase uma hora e meia com o que os produtores chamam de “uma das maiores batalhas da história da TV”. É tudo o que os fãs esperavam ouvir. Gosto muito da série, apesar de achar que as últimas temporadas abandonaram o rigor narrativo e certas características dos personagens em nome de um fan service que, por outro lado, ampliou as expectativas do público. Talvez seja mesmo hora de intensificar os acontecimentos e entregar o que o público em geral tem buscado ver. Saciar vontades – assim como aconteceu com os Vingadores. Os puristas podem ficar relaxados porque, na verdade não será o final pensado por George R. Martin. Este final ainda será lançado com os novos livros – e  provavelmente quando isso acontecer, o universo de Westeros volte a ser notícia daqui a um ou dois anos.
É tempo, portanto, de fan services. Se isso contraria você, fuja das redes e garimpe opções – algumas delas eu pretendo passar aqui em breve, sobre outros serviços de streaming além da NETFLIX.

Gostou? Compartilhe