OPINIÃO

OAB ataca aumento da luz

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Uma Ação Civil Pública foi protocolada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Rio Grande do Sul na Justiça Federal. A entidade pede a suspensão do reajuste de cerca de 30% no preço na conta de energia elétrica. Após autorização da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), a Companhia Estadual de Energia Elétrica implantou nas contas reajustes que oscilam entre 29,29% a 33,54%, dependendo do tipo de consumidor. Para a OAB, não há justificativa para aumento deste nível, considerando o reajuste abusivo, arbitrário e fora da realidade econômica vivida pelos cidadãos do Estado. A Ordem destaca, ainda, na sua ação judicial, que os índices inflacionários de 2017 foram bem abaixo destes percentuais de reajuste e os prognósticos para 2018 também apontam para decréscimos na inflação ou elevação em patamares menores do que o índice corrigido das contas de luz. A ação está tramitando na 8ª Vara Federal de Porto Alegre e o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que engloba os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, já determinou urgência na análise do processo, cujo impcato atingirá cerca de mais de 1,5 milhão de consumidores.

RECALL DA FIAT E DA CITRÖEN

Um recall anunciado na semana passada vai envolver cerca de 150 mil veículos da Fiat, dos modelos compactos Uno, Mobi e Argo. O objetivo é verificar o sistema de luzes de direção. O problema pode gerar riscos ao motorista, segundo informou a montadora, uma vez que a falha faz com que as luzes não se acendam quando acionado o comando de virar para esquerda ou direita. O chamamento envolve 56.371 unidades do Mobi ano/modelo 2016 a 2018; 91.338 Unos, ano/modelo 2014 a 2018; e 3.771 Argos, ano/modelo 2017/2018. Por sua vez, a Citroën convocou um recall para todas as versões dos modelos C4 Picasso e Grand C4 Picasso. A idéia é corrigir uma falha na fixação da folha capô. O problema, alerta a montadora, pode causar a vibração da peça e, em alguns casos, o desprendimento da folha do capô. Os ajustes devem ser feitos nos C4 Picasso fabricados entre 1º de setembro de 2016 e 6 de abril de 2017, com chassis de numeração HJ514804 a JJ506557. Já a convocação do Grand C4 Picasso é válida para as unidades fabricadas no mesmo período, cuja numeração do chassi vai de HJ514806 a JJ506566.

DICA PARA O CONSUMIDOR:
CHEQUE SEM FUNDOS E A BAIXA NO BANCO

Nesses tempos modernos de intensificação dos meios eletrônicos e massificação dos cartões eletrônicos, os talonários de cheque perderam espaço. Mas ainda há consumidores que preferem esse meio de transação e fornecedores que aceitam o cheque. Um problema para o correntista, no entanto, ocorre quando o cheque não foi compensado no banco, por falta de provisão de fundos, e o portador não foi identicado. Nesse caso, o correntista deve seguir alguns passos para resolver o problema. Primeiro, deve pedir ao banco a microfilmagem e o histórico do cheque, para tentar verificar para quem foi passado e na conta de quem foi depositado. Com essa informação em mãos, o segundo passo é entrar em contato com a agência da pessoa que depositou o cheque e descobrir o endereço e telefone. Depois disso, é só entrar em contato com a pessoa, resgatar o cheque e apresentá-lo no banco. Se, no entanto, a pessoa não tiver mais o cheque, deverá fazer uma declaração, por escrito, de quitação do título, informando todos os dados do cheque, que o perdeu, mas que recebeu o valor correspondente. Esta declaração também deverá conter todos os dados de quem recebeu o cheque e deve ser assinada. A assinatura deve ser reconhecida no Cartório. Por fim, com o cheque em mãos ou a declaração, basta quitar as taxas e baixar o documento, liberando a conta para novas transações. Essa e outras dicas para problemas comuns da vida do consumidor podem ser encontradas no site SOS Consumidor.

Gostou? Compartilhe