Obras no Aeroporto Lauro Kortz devem começar em 60 dias

Consórcio vencedor do processo de licitação tem 15 dias para apresentar um novo projeto básico para reforma e ampliação do aeroporto de Passo Fundo, atendendo exigências técnicas do Estado

Por
· 2 min de leitura
Divulgação/ON

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O consórcio Traçado-Engelétrica, vencedor do processo de licitação que prevê a reforma e ampliação do Aeroporto Lauro Kortz, confirmou que irá apresentar um novo projeto básico para a obra, atendendo às exigências previstas no anteprojeto do Estado. O anúncio foi feito nesta terça-feira (23), pelo titular da Secretaria de Governança e Gestão Estratégica (SGGE) e da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag) do Rio Grande do Sul, Claudio Gastal. De acordo com o secretário, a empresa tem 15 dias para apresentar a nova proposta, que será analisada pelo Departamento Aeroportuário (DAP) e pela Secretaria de Aviação Civil (SAC). Caso seja aprovado, as obras devem ter início em cerca de 60 dias. O prazo para execução total do projeto é de oito meses.

A resposta do consórcio – formado pelas empresas Traçado Construções e Serviços Ltda e Engelétrica – põe fim a um impasse que se arrastava há meses. Conforme Gastal, em entrevista para a Rádio UPF ontem,  neste modelo de licitação pelo qual passou a obra do aeroporto de Passo Fundo, o Estado elabora um anteprojeto em que define características técnicas a serem seguidas pela empresa vencedora. Uma vez habilitada, a empresa pode elaborar o projeto básico da obra seguindo as orientações do anteprojeto ou, então, justificar o motivo pelo qual decidiu divergir das especificações. 

No caso em questão, o projeto apresentado não seguia à risca o anteprojeto de reforma. Enquanto o Estado previa a utilização de materiais específicos (asfalto com polímero, por exemplo) para a pavimentação e revestimento da pista de pousos e decolagens do aeroporto, o consórcio homologado como vencedor da licitação propôs, em seu projeto final, o uso de outro material. A proposta foi, então, negada pelo Estado e pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). Na avaliação dos técnicos do DAP e SAC, responsável por repassar os recursos para a obra, sem o polímero, material que torna a pista mais resistente e prolonga a durabilidade do asfalto, a reforma não atenderia às necessidades do espaço.

De acordo com Gastal, o impasse acabou se arrastando além do previsto e gerou, até mesmo, a necessidade de o Estado enviar uma notificação à Traçado Construções e Serviços, estabelecendo um prazo de duas semanas para que ela se manifestasse a favor da readequações técnicas, sob pena de rescisão do contrato. O prazo encerrava ontem (23), data em que a empresa comunicou que cumpriria as exigências. Agora, a vencedora tem 15 dias para apresentar um novo projeto, adequado às especificações previstas no anteprojeto. A proposta ainda deve ser novamente analisada pelo DAP e pela SAC. Se o documento for aprovado, a SGEE estima que em cerca de 60 dias a Ordem de Serviço seja assinada, dando início à execução da reforma, que deve ser concluída em até oito meses. Não há previsão de fechamento das operações no Aeroporto Lauro Kortz durante as obras.

Histórico do projeto

A assinatura do edital de licitação da obra aconteceu ainda em junho de 2018, quando o então governador do Estado, José Ivo Sartori, se reuniu com um grupo de políticos e lideranças regionais, no Auditório da Biblioteca da Universidade de Passo Fundo. Na ocasião, embora ainda não houvesse previsão para início das obras, a expectativa era de que o projeto saísse do papel na primeira metade de 2019.

A proposta de ampliação e modernização do Aeroporto Lauro Kortz prevê a construção de um novo terminal de passageiros e de um novo pátio para estacionamento das aeronaves, além da recuperação da atual pista de pousos e decolagens. O projeto integra o Programa de Desenvolvimento da Aviação Regional (PDAR-RS) - desenvolvido pela Secretaria dos Transportes através do Departamento Aeroportuário (DAP) - e terá investimentos de R$ 42,9 milhões. O valor será pago com recursos da União e contrapartida do Estado.

Gostou? Compartilhe