OPINIÃO

Os barões celerados

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A cada momento ouvimos nos comentários mais comuns ou nos elaborados raciocínios que ilustram inconvenientes da conduta social, a assertiva de que é preciso mudar a cultura do país. Aplicamos isso para infratores do trânsito, inadimplentes, predadores do patrimônio público, mal educados que constrangem professores idosos e crianças, enfim tantos itens etiquetados que merecem evolução. Nos escalões mais modestos. A grande e secular falta de consciência persiste, no entanto, nas políticas de poder político. Os barões assinalados, ou os excelsos comandantes do poder, são a pesada herança absolutista (the king do not wrong). Se o povo simples começou a entender que não pode discriminar raças, que deve respeitar idosos ou vulneráveis e se revolta com a violência contra a mulher, as elites maiores não assimilaram ainda que é injusta a preservação dos intocáveis. Os movimentos dos últimos meses, da Polícia Federal, MP e Judiciário, apontam para um rumo revolucionário. Figuras perpetuadas no poder por delegação do povo não admitem descer do pedestal. Sabem que não são santos, mas se declaram ungidos para sempre. O procurador geral da República Rodrigo Janot acaba de requerer a prisão de mandatários do Poder Legislativo: Eduardo Cunha, Renan Calheiros, além do ex-ministro Romero Jucá e ex-presidente José Sarney. Todos do PMDB, partido que se ajeita na presidência do país. Logo eminências de outros partidos poderão ser denunciadas, por obstrução à justiça e outros delitos. Segue a queda livre de ministros e engrossa o volume de denunciados da Operação Lava Jato, e outras investigações. Chegou a vez dos barões celerados!

Grave vazamento
No episódio desta semana, com a divulgação do pedido de prisão de próceres partidários, veio imediatamente a réplica do vazamento. Ou seja, quem promovia vazamento seletivo nas denúncias contra o PT, agora quer apurar as irregularidades acessórias. O importante, no entanto, é o fato denunciado. A imprensa, do jeito que é, cumpre seu papel. O momento é tão rumoroso que pode ser indeferido pelo Ministro Zavascki, ainda que parcialmente, o pedido da acusação de Janot. Este sim parece mais peitudo que o juiz Sérgio Moro.

Ricordi D’Itália
A presidente do tradicional Coral Ricordi D’Itália, Glaci Bortolini, informa que a professora Maria Teresinha Fortes Braz, há vários anos regente do grupo, decidiu passar a batuta ao jovem músico David Reginatto. Teresinha permanecerá na regência durante um período de transição, mercê sua indispensável experiência, e continuará fazendo parte com sua voz marcante no coral. David, renomado acordeonista, mostrou-se entusiasmado com o convite para mais esta missão, além de instrumentista do Ricordi, que cumpre papel artístico e cultural.

Retoques:
* Sarney alega a seu favor os 60 anos de vida pública e o exercício da Presidência do Brasil, quando conduziu a liturgia da democratização. Lula executou o projeto que retirou grande parte da população da sombra da miséria e abriu oportunidade ao ensino universitário a milhares de excluídos. Ambos têm méritos incontestáveis. Mesmo assim, não se pode admitir a omissão no assalto ao dinheiro público, ou a obstrução da Justiça!
* Tapetes dourados ou rubentes podem enganar pela aparência, como acontece hoje. É só levantar uma ponta que aparece a sujeira dos desvio de verbas.
* Luislinda Valois, desembargadora negra, é nomeada para a Secretaria da Igualdade Racial. Ela tem uma trajetória de luta e sucesso no combate ao racismo. É inovação sólida, sem as temeridades que marcaram as primeiras escolhas de Temer.
* Fato relevante e indutor de valores é a escolha de Maria da Penha para carregar a Tocha Olímpica. Aplauso aos organizadores!
* É bem possível que as gravações de Sérgio Machado tenham sido a maior bomba política na delação premiada.
* Além de Cunha manobrar ao ponto de escarnecer da dignidade, a deputada sua aliada, Tia Eron, é vedete nacional!

Gostou? Compartilhe