OPINIÃO

Os primeiros tempos no olhar de um jovem imigrante

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?


Todos os documentos elaborados pelos servidores do Estado, representado na Colônia Erechim pelo escritório da Comissão de Terras, são fontes primárias para a pesquisa histórica. Elas revelam os aspectos formais como o número de imigrantes que chegam ou se retiram da colônia, a quantidade de lotes medidos, ocupados ou não, despesas efetuadas, edificações e estabelecimentos abertos. Ou ainda os nascimentos e óbitos do período, impostos arrecadados...

 

Após a emancipação de Erechim em 30 de abril de 1918, a administração municipal passa a ser a gestora da sede e demais localidades que integram seu território. No Arquivo Municipal de Erechim, toda a documentação das primeiras sete décadas tem sido utilizada como fonte para pesquisa. E a documentação não oficial? Tão importante quanto às elaboradas pelo poder público, as correspondências de particulares e empresas, diários, livros contábeis e periódicos, como jornais e revistas, são subsídios indispensáveis para a construção da história.

 

 

No ano de 1949 a tipografia Meier & Blumer, instalada na Rua Santos Rodrigues, 249, na cidade do Rio de Janeiro, imprimiu uma obra intitulada “Colonos na Selva – Imigrantes como Agricultores”. Na página 5, o autor dedica o trabalho “a minha boa e inesquecível mãe, Maria Weiss”. Nas 155 páginas e 24 ilustrações, João Weiss conta a saga da família que no ano de 1912 embarca no navio “Martha Washington”, no porto de Trieste, no então Império Austro-Húngaro tendo como destino o Brasil.

 

Os motivos que levaram Johann, o patriarca da família Weiss, a esposa e os três filhos, dentre os quais o autor a abandonar a cidade de Munich, é revelado no início da obra. Do mesmo modo as agruras da travessia, a chegada a Ilha das Flores, passagem obrigatória para os imigrantes, e a viagem para o Porto de Rio Grande. Não menos dramática a jornada seguinte até a plataforma da Estação Erechim, de onde foram conduzidos até a sede da colônia para finalmente serem instalados numa área de 25 hectares.

 

A vida da família Weiss que passou a se dedicar a agricultura, é relatada em detalhes. Além das dificuldades diversas, enfrentadas também por outras tantas distribuídas pelo chamado Sertão do Alto Uruguai, que até 1918 integrou o território do município de Passo Fundo, e a descrição do cotidiano da vila Erechim (atual Getúlio Vargas) e ainda de Barro (hoje Gaurama) e Marcelino Ramos, onde João Weiss recebeu a educação formal para mais tarde embarcar rumo a Porto Alegre para cursar Direito.

 

Indispensável para quem se debruça na tarefa de escrever sobre a história regional, Colonos na Selva é considerado um clássico. Sintetiza a vida de centenas de famílias que entre a década de 1910 e 1930 transformaram a região na maior produtora de alimentos do RS.

Gostou? Compartilhe