Panificação é fonte de renda

Cinco grupos de Economia Popular Solidária auxiliados pela Cáritas Arquidiocesana encontraram na panificação uma forma de melhorar de vida

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A confecção de panificados virou fonte de trabalho e renda para cinco empreendimentos que fazem parte de um grupo de Economia Popular Solidária de Passo Fundo. Cerca de 15 mulheres trabalham nestas empresas solidárias com o objetivo de contribuir para a renda familiar. A Cáritas Arquidiocesana oferece apoio ao grupo para que os empreendimentos alcancem condições para a produção e comercialização, através de capacitação com foco na qualificação dos produtos, autogestão, cooperação e viabilidade financeira.

O grupo de padaria é formado por cinco empreendimentos: Doces Sabores, Biscoitos Garbin, Gulla’s Anjo, Le Point e Sabor Collonial. Cada empresa atua em seus espaços próprios, mas realizam atividades em conjunto de acordo com os preceitos da economia solidária fortalecendo os seus negócios. Segundo a assessora de projetos da Cáritas, Odete Silveira, a cada 15 dias o grupo expõe os produtos na Galeria da Solidariedade, na rua Paissandu, em frente a EENAV, e semanalmente na Feira do Produtor. Algumas já comercializam para a merenda escolar e comércio em geral. “O grupo produz bolachas, pães, cucas, pizzas, massas caseiras, doces e até com produtos integrais. São empreendimentos que surgiram a partir de uma demanda no mercado e de mulheres que queriam complementar a renda familiar”, explicou Odete.

A Cáritas auxilia os grupos na qualificação do negócio, na busca por equipamentos e condições de trabalho adequadas. “A Cáritas administra o fundo diocesano de solidariedade. Os grupos montam o projeto e encaminham para a Cáritas que fará a avaliação e posteriormente acompanhamento dos grupos. O acompanhamento é importante porque eles se sentem mais seguros e motivados”, disse a assessora de projetos.

O assessor de projetos da Cáritas, Franciel Risson Bachi, explicou que há os empreendimentos que estão em estágio mais avançado e outros que estão começando o negócio, mas ambos caminham juntos e se ajudam. Outro aspecto importante do projeto é a valorização da mulher na sociedade. “A mulher se sente mais valorizada ajudando na renda familiar. Ela se sente mais feliz e realizada naquilo que faz”, enfatizou Bachi.

A matéria completa você confere nas edições impressa e digital de O Nacional. 
 Assine Já

Conheça aqui os presidentes das Associações de Moradores de Passo Fundo em atividade. O material será atualizado a cada semana. 

Gostou? Compartilhe