Passo Fundo terá caminhada de conscientização da ELA

Estima-se, segundo a ARELA-RS, que no Estado há pelo menos 700 portadores de Esclerose Lateral Amiotrófica

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O domingo será de mobilização em todo o Brasil. As principais capitais, incluindo Porto Alegre, farão a II Caminhada e Cadeirata de Conscientização da Esclerose lateral Amiotrófica - ELA. Passo Fundo entra nesse mapa de mobilização através da caminhada organizado pela Associação Regional Esclerose Lateral Amiotrófica – Arela/RS e com o apoio do Instituto Umani. A cidade terá a presença de um dos fundadores da Arela no Estado, Paulo Serafim, portador da doença por mais de 16 anos. Ele é de Salto do Jacuí e virá participar do movimento.

 

A caminhada, organizada pelo Instituto Umani, iniciará em frente a instituição, no Bairro Vergueiro, na rua Capitão Eleutério, 1901 e seguirá pela Nascimento Vargas, passando em frente ao Zaffari Vergueiro. Depois entrará na Fagundes dos Reis, dobrando na Eduardo de Brito e finalizando novamente na sede do Instituto.


Estima-se, segundo a ARELA-RS, que no Estado há pelo menos 700 portadores de Esclerose Lateral Amiotrófica – ELA. Destes, apenas 300 estão cadastrados na entidade. Um dos objetivos da caminhada e cadeirata, é justamente conscientizar que estando cadastradas, estas pessoas podem receber melhor atendimento, melhor encaminhamento e atenção necessária em todo o curso da doença, que envolve o uso do medicamento riluzol e tratamento multidisciplinar. “Em determinado momento, por exemplo, com o avanço da doença, que é neurodegenerativa progressiva, as pessoas precisam de respirador. Um equipamento caro para ser adquirido, porém, é fornecido gratuitamente pelo Estado e através do cadastro na ARELA-RS o paciente poderá conseguir todas as informações de encaminhamento e contar com a ajuda da entidade”, explica a fonoaudióloga Andréia Esther Puhl, do Instituto Umani.

Gostou? Compartilhe