OPINIÃO

Pastoral Carcerária

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

 

Infelizmente, as notícias de violência fazem parte do cotidiano. Sempre que acontecem mais assassinatos e roubos, como está acontecendo no Rio Grande do Sul, o problema recebe atenção especial e não poderia ser diferente. Na campanha eleitoral, o tema é obrigatório. Quando se começa a estudar o assunto e se procura soluções, imediatamente entra em pauta o sistema prisional. Longos debates e estudos trazem questões sobre a finalidade do Sistema Prisional, sua metodologia e sua situação atual. Este é um problema que não pode ser tratado com superficialidade, pois não existem soluções fáceis. Também no dia 2 de outubro é relembrado o massacre do Carandiru - São Pulo - ocorrido em 1992, no qual foram mortos 111 prisioneiros durante uma rebelião.
A Pastoral Carcerária da Igreja Católica, composta de leigos voluntários, religiosas e padres, visita os apenados. Fazem este pastoreio respondendo ao pedido de Jesus Cristo: “estava na prisão, e fostes visitar-me” (Mateus 25, 36). A presença junto aos encarcerados é uma obra de misericórdia num ambiente onde a miséria humana está escancarada. O objetivo geral da Pastoral Carcerária é a “evangelização e promoção da dignidade humana por meio da presença da Igreja nos cárceres através das equipes de pastoral na busca de um mundo sem cárceres”.
A Pastoral Carcerária tem como objetivos específicos: “Anunciar o Evangelho de Jesus Cristo; colaborar para que os direitos humanos sejam garantidos; conscientizar a sociedade para a difícil situação do sistema prisional; velar a dignidade humana; contribuir para a redução da população carcerária; superar a justiça retributiva por meio da justiça restaurativa; promover a inclusão social da pessoa presa”.
Visitar os presídios e os prisioneiros é uma experiência marcante e provocativa. Encontrar-se, face-a-face, com alguém que foi julgado e condenado, por qualquer crime, desperta os mais variados sentimentos. O primeiro é de tristeza pelo sofrimento causado pela ação criminosa. Vem à mente as vítimas e seus familiares, com toda a violência sofrida e os traumas que agora carregam. A ferida do mal sofrido é irreparável. Enfim, quanto sofrimento, quanta dor está por detrás de cada prisioneiro.
Outro sentimento que brota é de compaixão e misericórdia para com os prisioneiros. Objetivamente os prisioneiros fizeram um mal que justifica sua prisão, foram julgados, condenados e estão cumprindo a pena, conforme a lei. Também vem a pergunta: por que eles se encaminharam por este caminho torto? Houve descuido na sua formação humana? Acima de tudo nasce a inquietação de como ajudá-los, para que, após o cumprimento da pena, possam voltar à sociedade e mudem de vida.
Outro problema sério são as condições sub-humanas dos presídios. Ver com os próprios olhos a realidade prisional, certamente, impacta muito mais do que vê-la pelos meios de comunicação. Se uma das finalidades dos presídios é a reinserção social, que na linguagem religiosa denominamos como conversão, constata-se que, naquelas condições, este objetivo dificilmente será alcançado.
A Pastoral Carcerária orienta-se, nas suas visitas aos encarcerados, conforme o sentimento de Deus: “não tenho prazer na morte do ímpio, mas antes que ele mude de conduta e vida” (Ezequiel 33, 11).

Dom Rodolfo Luís Weber
Arcebispo de Passo Fundo
30 de setembro de 2016

 

Gostou? Compartilhe