OPINIÃO

Pedro...do mundo

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Conheci em Torres o cidadão do mundo Pedro Marodin, portoalegrense, , poeta, saxofonista, palhaço, escritor. Há muito largou tudo e foi viver da poesia, sujeito viramundo a percorrer todos os recantos do país e alguns de fora. Um dia dissera a seu pai: não quero ser profissional liberal; quero ser poeta, quero ser do mundo. Do que iria viver? De vender livros de poesia, de poesias que atingissem os corações inquietos e mentes perscrutadoras como a sua. Seus livros são prefaciados por Moacyr Scliar, Martha Medeiros e Luís Fernando Veríssimo. Simpático e feliz percorria a praia abordando os veranistas a oferecer seus livros. Comprei quatro, conversamos sobre suas viagens e sobre suas escolhas. Dorme dentro do carro, come o que tiver, é dono de si. Faz apresentações de circo, participou de grupos teatrais, teve várias namoradas mas, a ninguém se prendeu de fato. Esteve em uma das jornadas de literatura e gostou do que viu, quem não gostou? Um de seus livros é autobiográfico, é delicioso de ler porque mostra a coragem do cara anticonvencional e que largou tudo pelo seu sonho e liberdade absoluta.
Meu filho Ramon cursa engenharia mas, é fascinado pela arte da fotografia e por editar vídeos. Está iniciando nessa atividade e me parece ser prazerosa a tal ponto de não parecer trabalho. Está recebendo convites até do Rio pela qualidade das edições que já postou na internet. Trabalha no sonho, é baixista, toca guitarra. É meio Pedro Marodin. Minha filha Georgia cursa relações internacionais e acaba de terminar de escrever seu primeiro livro que julgo será sucesso pela razão de que trata de assuntos que interessam às mulheres e aborda situações referendadas em personalidades públicas da cultura mundial. Também está feliz e me lembra um pouco de Pedro Marodin.
Um dia houve um Jorge...tipo Marodin mas, isso foi em 1974-75 do qual me separei. Aquele que ficou pelas estradas da vida não gostava de gravatas e de imposições sociais, achava o mundo meio depravado e inconsistente; achava que o egoísmo e a hipocrisia eram as marcas que definiam bem a sociedade. Achava o mundo autolimitado, preso a regras fechadas, não pensadas não entendia qualquer tipo de discriminação social, racial, geográfica ou de costumes. Não queria fazer parte do rebanho inconsciente que nada contestava e tudo aceitava. Ao contrário de ser complexo era simples: “eu queria ter na vida simplesmente um lugar de mato verde prá plantar e prá colher...ter uma casinha branca de varanda...com quintal e uma janela só prá ver o sol nascer”. O outro Jorge viajou para longe e adotou os costumes da sociedade: gravata, avental, funcionário, cartão-ponto, CPF, vendeu a liberdade e abdicou muitos de seus sonhos. O amor pela família e por se sentir útil à sociedade é o que abranda suas angústias. Mas, não pode se excluir de uma sociedade, também construída por ele, com tantas desigualdades e impunidades, além do imenso vazio existencial que se verifica nas pessoas.
É bem provável que eles se encontrem, o Jorge Marodin e o Jorge Anunciação, um dia em uma praça ou praia, someday-somewhere como cantava Demis Roussos. Confesso a vocês que tenho receio em encontrá-lo; confesso a vocês que, mais do que receio, estou quase com medo. Peço a Deus que eu não sinta o pior de tudo... vergonha ao encontrar o Jorge 1974.

Gostou? Compartilhe