OPINIÃO

Pirulito causa dano a criança

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O número grande de produtos destinados a crianças, com oferta de sabores diferenciados, pode ser um risco para o público infantil. Na Austrália, um menino de sete anos de idade teve queimaduras sérias na língua ao consumir o pirulito Ogivas Juniors Extrema Sour. O ácido que se soltou do pirulito causou uma perfuração na língua do menino, um “buraco” assustador, segundo relatou a criança no Facebook. A foto foi compartilhada na rede social como forma de alertar os pais do risco desses produtos, pirulitos, balas e outros, com presença de ácidos dos mais diversos. No caso desse produto, foi identificado o ácido málico. É um produto comercializado pela empresa americana Impact Confections com a promessa para as crianças de um doce “extremo” com um sabor amargo intenso. O pior de tudo é que a embalagem indica que o produto é apropriado para crianças com quatro anos de idade ou mais velhas. E embora exista um aviso sobre riscos de irritação para a criança que “comer vários pedaços dentro de um curto espaço de tempo”, a mensagem é muito discreta, quase imperceptível.

Alertas nas embalagens

Esse fato chama a atenção porque no Brasil também existem vários produtos destinados às crianças contendo ácidos, comercializados sem qualquer restrição. E o mais grave é que a regulamentação da ANVISA em relação aos produtos alimentares não é suficiente para garantir ampla publicidade de alertas e advertências nas embalagens dos produtos. Em 2010, a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) editou a resolução RDC n.º 24, que obrigava os fornecedores de alimentos com baixo teor nutritivo a introduzirem em suas peças publicitárias advertências com relação a riscos dos produtos, com inscrições do tipo: “O produto ‘x’ contém muito açúcar e, se consumido em grande quantidade, aumenta o risco de obesidade e cárie dentária; o produto ‘x’ contém muita gordura saturada e, se consumido em grande quantidade, aumenta o risco de diabetes e de doença do coração; o produto ‘x’ contém muita gordura trans e, se consumida em grande quantidade aumenta o risco de doenças do coração; o produto ‘x’ contém muito sódio e, se consumido em grandes quantidades, aumenta o risco de pressão alta e de doenças do coração”. Advertências relativas ao conteúdo nutritivo dos produtos ou a baixa quantidade, bem como as advertências sobre os riscos efetivos dos produtos devem ser prioridade e devem ser exigidas pelo Código de Defesa do Consumidor. A resolução n.º 24 não chegou a entrar em vigor, infelizmente, por pressão dos fabricantes de produtos alimentares para crianças. Aperfeiçoar a regulamentação desta matéria é uma exigência que atende a Constituição Federal, que no art. 227, define a responsabilidade coletiva na proteção das crianças e adolescentes ao dizer que “é dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão”.
_____________________________________
Júlio é Advogado e Professor de Direito da IMED, Especialista em Processo Civil e em Direito Constitucional, Mestre em Direito, Desenvolvimento e Cidadania.

Gostou? Compartilhe