OPINIÃO

Quanto o prefeito e o vereador devem ganhar?

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

A discussão sobre quanto o prefeito e o vereador devem ganhar, além de tensa é densa, pois, sobre ela, repousa acúmulo de decepções com o sistema político, generalizações indevidas, desinformações sobre o papel que cada um desses agentes deve cumprir, além de critérios e de limites.

A Constituição Federal indica que a competência para definir a remuneração de prefeito e de vereador, que deve ocorrer sob a forma de subsídio, é exclusiva da Câmara Municipal, assinalando, ainda, que a fixação desse valor deve ser feita, por lei, pelos atuais vereadores, para o próximo mandato.

Neste ponto, já há tensionamento inicial relacionado ao tema, pois, em muitos municípios, grupos de cidadãos tomam a iniciativa de propor projeto de lei popular para fixar o valor da remuneração de prefeito e de vereadores, mediante subscrição de 5% de eleitores. Relembrando, a Constituição Federal estabelece que a competência para a definir remuneração de agentes políticos municipais é exclusiva da Câmara.

Mas, se não há iniciativa popular de lei, o tensionamento ocorre porque os eleitores, de forma legítima, querem acompanhar o debate, acessar o conteúdo legislativo e ter espaço e oportunidade para emitir suas opiniões. Quanto a isso, não pode a Câmara Municipal “fechar-se”, sendo letal para a validade de leis a tramitação sigilosa, sem transparência e desprovida de acesso, pelo cidadão, quanto aos seus projetos de origem.

Assim, quanto antes a matéria for tratada na Câmara Municipal, mais cedo se dará a definição de quanto será, para o próximo mandato, a remuneração de prefeito e de vereadores, reduzindo o risco, inclusive, de que esse debate se aloje na campanha eleitoral, onde o potencial de o tema adquirir contornos demagógicos é ampliado.

Todavia, a questão não é somente tensa, ela é também densa, na medida em que há critérios e limites constitucionais e legais a serem observados e que exigem atenção e alto grau de responsabilidade social do legislador, não comportando, desta forma, a definição aleatória de valores, mesmo que seja para reduzir subsídio. E, aqui, uma informação adicional: a Câmara Municipal não só deve fixar a remuneração de prefeito e de vereadores, como também a de vice-prefeito e a de secretários municipais.

É oportuno alertar, então, que a fixação de valores para a remuneração de agentes políticos municipais não pode ser tratada superficialmente pelos atuais vereadores. Uma eventual redução da remuneração do prefeito, para o próximo mandato, por exemplo, afetará todo o quadro funcional do município, pois seu subsídio, como regra geral, será o teto remuneratório para os próximos quatro anos... Será isso pertinente? A fixação de um subsídio de valor de baixa proporção, por exemplo, para secretário municipal, poderá significar um obstáculo para que o convite, ao cargo, seja aceito. Isso pode ser um problema?

Fugir do tensionamento da matéria, não examinar a densidade de questões técnicas e de impactos que as fixações da remuneração de prefeito e de vereadores causam, no âmbito da governança local, embora tentador, não é uma opção. Trata-se de atribuição constitucional que exige dos atuais membros da Câmara Municipal responsabilidade, competência e comprometimento com o interesse público. Nada menos do que isso!

André Leandro Barbi de Souza
Fundador e Sócio-diretor do IGAM, Advogado e Professor com Especialização em Direito Político, Sócio do escritório Brack e Barbi Advogados Associados.

Gostou? Compartilhe