OPINIÃO

Quem quer ser prefeito precisa se preocupar com o clima...

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Em qualquer empresa um dos fatores que é estratégico para que ela alcance bons resultados e obtenha reconhecimento no mercado é o clima organizacional, que nada mais é do que a percepção coletiva que os seus funcionários têm sobre ela. Essa percepção coletiva absorve basicamente sentimentos do tipo “vale a pena eu me comprometer, me integrar e fazer mais do que o que é exigido no meu trabalho” ou “vou seguir com o meu trabalho até onde der, independente do que venha a acontecer com a empresa”. Por isso as empresas que buscam a excelência em suas atividades se preocupam em monitorar e avaliar o clima da sua organização, junto aos seus funcionários, pois elas sabem que se “não tiver um bom clima, não vai”.

Na administração pública não é diferente, pois na sua organização há pessoas que profissionalmente precisam se relacionar para que resultados sejam produzidos. O detalhe, contudo, é que, ao contrário de uma empresa, que tem longevidade no exercício de sua administração, permitindo que os funcionários possam assimilar, pelo acúmulo de experiências, o pensamento e a cultura dos gestores, recepcionando estratégica, administrativa e operacionalmente as decisões tomadas, em órgãos do Poder Executivo tudo é muito transitório, pois o ciclo de gestão é de quatro anos, podendo, talvez, chegar a oito anos.

Se a excelência se afasta de empresas que não possuem clima organizacional propício ao alcance de seus objetivos, o mesmo ocorre com a administração pública, pois não adianta o prefeito e os secretários “quererem” um bom governo se os servidores não se sentirem pertencentes, integrados, reconhecidos e recompensados neste processo.

Para ilustrar, cabe um relato (que é verdadeiro): em uma determinada prefeitura, na secretaria da saúde, um servidor titular do cargo de motorista recebeu a tarefa de conduzir os pacientes de suas residências para o hospital para realizarem hemodiálise. Percebendo que o trajeto era confuso e que o descontentamento e desconforto dos pacientes era grande, pois havia muita demora com os deslocamentos e com a espera, esse servidor organizou uma nova planilha de rotas e de horários, acertando a execução dessa planilha com o hospital, tornando, assim, a vida dos pacientes de hemodiálise menos dolorosa e, dentro do possível, mais confortável. O secretário de saúde, ao perceber a satisfação que a medida gerou, pediu explicações ao servidor e “apropriou-se da ideia”. A pergunta aqui é: se esse servidor tiver outra boa ideia, ela irá leva-la adiante? Provavelmente não, pois os sentimentos que ficaram foi de subtração, de não reconhecimento, de injustiça... Essa percepção forma um clima ruim, que anestesia proatividade e a integração, incentiva o comportamento do “tanto faz” e derruba a potencialidade de resultados positivos. Eis, então, a questão: o problema, neste caso, é o comportamento reativo que o servidor resolve adotar ou é o clima organizacional que não lhe gera valor e reconhecimento?

Há prefeituras em que os servidores públicos passam quatro anos sem conversar com o prefeito e com os secretários, sem interagir com suas ideias e seus pensamentos, sem qualquer compreensão do porquê das decisões tomadas, sem informação sobre os objetivos a serem atingidos e sobre resultados a serem gerados... Então, se o resultado vem (ou não vem), se o objetivo é alcançado (ou não), pouco vai importar. Esse sentimento forma a postura do “isolamento” e do “não-pertencimento”, onde cada um vai agindo por si, cada vez mais induzido a ser mínimo em seu trabalho. E na soma de mínimos não se chaga à eficiência. Então, quem quer ser prefeito... Preocupe-se com o clima! 


André Leandro Barbi de Souza
Sócio-diretor do IGAM, advogado com especialização em direito político, sócio do escritório Brack e Barbi Advogados Associados

 

 

 

 

 

Gostou? Compartilhe