OPINIÃO

Quer ver?

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Sobre os filmes em cartaz... Pagar entrada no cinema para ver Leandro Hassum numa comédia (que novidade hein, distribuição de filmes nacionais!!) padrão programa global de sábados à noite? Não, obrigado, “Vestido pra casar” não me interessa. Nesse final de semana estreia no resto do país “Rio, eu te amo”. Não tanto pela declaração de amor à cidade maravilhosa, mas o projeto atrai a atenção de muita gente pelos nomes envolvidos. Faz parte da franquia “Cities of Love” e é formado por diversos curtas dirigido por gente como Andrucha Waddington, José Padilha, Fernando Meirelles, Guillermo Arriaga (que esteve em Passo Fundo na Jornada Nacional de Literatura de 2009) e Paolo Sorrentino.


Comediazinhas tolas a gente recebe aqui no circuito de Passo Fundo. Será que esse, por exemplo, vem para cá?

***

Na coluna da semana passada, comentei, a respeito de Hércules, da dificuldade nos tempos modernos de o cinema simplesmente trazer para as novas gerações histórias que são passadas de geração a geração há décadas, séculos, milênios. Sempre é preciso recriar, modificar, transformar, deturpar.  No tempo em que as HQs de década em década “reformulam” seus universos e desconstroem (ou reconstroem) suas histórias, é um sintoma habitual. Leio, nessa semana, que Morgan Freeman é o primeiro ator confirmado da refilmagem (que novidade) de Ben-Hur, épico literário ambientado nos tempos de Jesus Cristo, que narra a amizade que se transforma em ódio entre um romano e um judeu. O cinema já viu essa história no cinema mudo, em um filme cuja montagem na famosa cena de bigas, se vista lado a lado com a clássica versão de 1959, pouco deve em termos de mobilidade e ação. A versão de 59, aliás, é a mais famosa, um dos maiores vencedores da história do Oscar. Há um par de anos, uma mini-série de poucos recursos recontou essa história, mas poucos viram. Pouco vale a pena, também.

Pois na refilmagem, decidiu-se que o filme se chamará Ben-Hur, mas não tratará da clássica história em si. Contará a história anterior, de como os personagens se conheceram. Pode haver mérito em constantemente ampliar essas histórias, mas cada vez mais eu vejo o cinema se distanciando de todas as narrativas que lhe deram origem. Dias atrás revi “El Cid”, de Anthony Mann, repleto de planos de uma imponência visual que o cinema parece não conseguir recriar mais sem a ajuda de computadores. Fico em cima do muro quanto à criatividade de rever histórias sob um novo ponto de vista e mostra-las, como sempre foram, às novas gerações, mas definitivamente no que diz respeito ao talento, ainda prefiro o olhar puro da câmera dos realizadores antigos, que com menos recursos fizeram coisas memoráveis e que marcam na retina muito mais do que cidades monumentais recriadas em computador. Como, aliás, deverá ser a Roma do novo Ben-Hur... que nem deverá ser, realmente, Ben-Hur.

Gostou? Compartilhe