OPINIÃO

Quinta de sol e inverno

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Porque já a chuva terminou e o céu agora está azul para nós dois (Os Caçulas, há mais de meio século). Aproveitei essa quinta para dar uma passeada na Gare, maravilhosamente pensada para o lazer. O sol das quatro convidava a laranjas e bergamotas, por que não? Dizem por aí que o médico é um profissional liberal; só se isso se aplica aos demais colegas porque nem lembro a última vez que me permiti ao simples desfrute de uma tarde de semana qualquer. A vida é curta e se não é possível encompridá-la devemos alargar o possível, em outras palavras, acrescentar momentos inesquecíveis ao cotidiano.

Um conhecido teve fratura exposta de femur e necessitou ficar fora de combate por um periodo longo. Vi-o sentado em uma cadeira de rodas numa manhã de domingo a lamentar o fato de não poder correr pela Avenida Brasil. Lembrei-me de que de 2003 até hoje nunca tive a oportunidade de vê-lo correr. Isso acontece também com as pessoas com quem convivemos. Subitamente elas vão embora e lamuriamos a partida sem despedidas. Deveríamos ter aproveitado muito mais e não o fizemos. Somente quando se perde é que se valoriza o que não é mais da gente.

Já tive algumas aventuras pueris como, por exemplo, ter sido o primeiro torcedor a adentrar ao Estádio Wolmar Salton num jogo de futebol no ano de 1984. Também fui o último a sair do Vermelhão. Por que fui o último? Porque estava com saudade de meu velho pai e foi ali, naquele estádio, que ele me levou para assistir um jogo entre 14 x Esportivo, em 1970. Ao permanecer mais tempo senti-me mais ligado, mais próximo e muito enternecido pelo velho ter me presenteado com esse mimo, mesmo simples mas, tão expressivo da nossa harmoniosa convivência.

Gosto das palavras, gosto do momento e entonação certos. Todos temos agradecimentos a fazer a estranhos-próximos em determinado momento. Quando surge a oportunidade costumamos expressar: jamais vou esquecer aquilo que tu me disse quando eu mais precisava ouvir. E essa forte lembrança-agradecimento estampa quanto as nossas vidas são carentes de momentos simples-impactantes. Ao caminhar pela Gare, ao sol da tarde, agradeci em pensamento a todos os que encheram minha vida de momentos agradáveis e prometi-me permanecer vigilante para que nunca interrompa aquilo tudo que me permito fazer às pessoas de meu entorno. O céu agora está azul para todos nós, mesmo para os que sofrem e não encontram consolo.

Gostou? Compartilhe