OPINIÃO

Reconhecimento

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Penso e acredito que cada líder que ocupou a Prefeitura Municipal de Passo Fundo deu o seu melhor de acordo com as condições vividas na época, tanto do ponto de vista econômico, quanto do social. Escrevo essa coluna com o objetivo de contribuir e reconhecer os avanços que Passo Fundo alcançou nos últimos anos, em especial entre 2005 e 2012, período em que o Prefeito Dipp dirigiu nosso município. Como educação sempre foi uma de suas prioridades, Dipp, convidou o ex-reitor da Universidade de Passo Fundo (UPF), o Padre Alcides Guareschi para ser o Secretário Municipal da Educação no período de 2005 a 2008, Padre Alcides idealizou a Universidade Popular (UP), ofertando cursos gratuitos e descentralizados em bairros e vilas da cidade.

Encontrou em seu Vice Prefeito Adirbal Corralo o parceiro ideal para conquistar e instalar em nossa cidade, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSul), uma Instituição Pública Federal, especializada em Educação Profissional e Tecnológica, vinculada ao Ministério da Educação. A energia gerada pelas entidades de classe, vereadores, hospitais, instituições de ensino e todas as forças políticas de Passo Fundo e Região, foram determinantes para que a Administração Dipp/Cecconelo que, em 2012 apoiassem efetivamente a instalação do Campus da Universidade Federal Fronteira Sul, onde o curso de Medicina seria ofertado atendendo alunos egressos da rede pública.

Ao liderar a busca por recursos para o desenvolvimento tecnológico, o Prefeito Dipp, encontrou na UPF a instituição séria e respeitada e no visionário Reitor José Carlos Carles de Souza o parceiro ideal, para que os recursos articulados nas mais diferentes esferas do governo possibilitassem a construção do parque tecnológico, o qual foi inaugurado em 2013. Considero de fundamental importância, as significativas contribuições das administrações do ex-prefeito Dipp, que merecem destaque em seus últimos mandatos, como a criação de dois distritos industriais, atração de grandes empresas como BSBIOS, ITALAC, MANITOWOC e AMBEV, além de mais de 50 empresas locais que tiveram a oportunidade de expandir seus negócios. Tal política de desenvolvimento possibilitou a geração de mais de 14 mil empregos e o crescimento das exportações em aproximadamente três mil por cento entre 2005 e 2011, saltando de U$ 19.861.000,00 (dezenove milhões, oitocentos e sessenta e um mil dólares) em 2005, para U$ 709.000.000,00 (setecentos e nove milhões de dólares) em 2011. Nesse ano, Passo Fundo tornou-se o 8º maior município em exportações do Estado.

Um árduo trabalho, as escolhas realizadas e muitas vezes não compreendidas materializaram-se em números de indicadores sociais que empurraram Passo Fundo a ocupar definitivamente um lugar de destaque, como apontam os resultados das pesquisas divulgados pela Fundação de Economia e Estatística (FEE) que apresentou o Índice de Desenvolvimento Socioeconômico (IDESE) para o Rio Grande do Sul. Passo Fundo ficou com a 5ª colocação no ranking, entre os municípios com mais de 100 mil habitantes, para o índice de desenvolvimento socioeconômico. Os indicadores que mais contribuíram para essa respeitosa colocação foram: saúde com 0,800, renda com 0,750 e educação com 0,671. Estes indicadores juntos proporcionaram que o IDESE de Passo Fundo alcançasse o índice de 0,740, ficando atrás de Bento Gonçalves, Porto Alegre, Santa Cruz do Sul e Caxias do Sul e, superando as cidades de Canoas, Cachoeirinha, Rio Grande e Santa Maria.
Por sua vez o Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal (IFDM), trouxe Passo Fundo como a 48ª cidade do Brasil com melhor desenvolvimento nas condições de emprego e renda. O avanço nesse índice que atingiu 0,8072 ponto no índice geral, que considera ainda dados de saúde e educação. A média dos municípios gaúchos foi de 0,6934 e o IFDM do Brasil foi de 0,7320. O crescimento foi de 3% na comparação do ano de 2011 com relação ao ano de 2010, sendo que o crescimento no Brasil foi somente de 1,8%. Através de todos estes dados, Passo Fundo se encontra no seleto grupo de menos de 10% dos municípios gaúchos que alcançaram nota superior a 0,8, considerada de alto desenvolvimento. Enfim, os indicadores não mentem. Passo Fundo cresceu e crescerá, pois seu povo é aguerrido, forte, determinado e empreendedor. Vida longa para as grandes conquistas.

Gostou? Compartilhe