OPINIÃO

Reflexões de sete

Por
· 1 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Old Dog lança novo clipe - Velho Whisky - e começa a chamar a atenção dos grandes centros pela qualidade de seus componentes e composições e pela parceria exitosa com Alana Telles e Ramon Anunciação na produção artística dos clipes. Constitui orgulho para minha família a parceria entre os artistas e produtores numa cidade de excelentes músicos nativos ou radicados. Assistam, que é show de bola. No entanto, talvez por ignorância musical ou histórica de minha parte, não lembro de uma mísica além de Gaúcho de Passo Fundo e Bar do Moa, de Ricardo Camargo que estabeleça identidade com nossa cidade. Vejam, Belchior escreveu Passeio (quando morava na Consolação) sobre São Paulo e teria estimulado Caetano a produzir Sampa (a sua mais completa tradução); antes disso, Saudosa Maloca, de Adoniran , Ronda, de Paulo Vanzolini e até Rua Augusta, cantada por Ronnie Cord estabeleciam lembranças-homenagens indesmentíveis sobre a grande cidade. Kleiton e Kledir falam..que saudades da Redenção, do Fogassa e do Falcão...e todos sentimos orgulhos. Copacabana princesinha do mar...Garota de Ipanema, entre centenas de composições salientam o Rio. Construção, Chico 1971 - conta tudo em preparoxítonas mágicas sobre a rudeza da impiedosa cidade grande. E Salvador, Recife e Florianópolis? É um desafio aos músicos de hoje - uma música para a cidade que amamos.

7 de setembro: há alguns anos olhávamos para o céu e rezávamos para que não chovesse. Havia o desfile e nós, das bandas de colégio queríamos brilhar. Há quase sessenta anos eu ía de carona na bicicleta de meu tio Luís, bicicleta enfeitada com flâmulas e bandeirinhas verde-amarelas. Hoje, por onde andei, vislumbrei uma única bandeira do Brasil. Mas, gente, é a nossa casa, é o nosso país, é a terra que deixaremos para nossos filhos e netos.

Em vez dos desfiles grandiosos assistimos delações sobre falcatruas dos nossos mandatários e malas de dinheiro, do nosso dinheiro, aquele mesmo que falta para saúde-segurança-educação-estradas-estudantes-pobres-pesquisa.

Há dois mundos, o de dentro das nossas casas, que é o mundo das coisas certas e o mundo de fora, onde paira a irregularidade como rotina. Precisamos sair do casulo e erguer o país que queremos. Deve ser por isso que ninguém foi mais aplaudido que os policiais federais. Num país em que os professores e autoridades deveriam estar no alto do panteão, esse lugar é habitado, para o júbilo de quase todos, pela polícia. Polícia para quem precisa, polícia para quem precisa de polícia.

Melhor falar sobre músicas e nossa cidade. Salve Passo Fundo.

Gostou? Compartilhe