OPINIÃO

Respeito à natureza

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Os elementos essenciais da natureza permanecem como pressupostos de vida, especialmente o homem. Parmênides, Tales de Mileto e tantos outros filósofos, formularam raciocínios sólidos sobre esta base que inclui água, terra, fogo e ar. E o Brasil, palco imponente nesta composição natural nas extensas terras da Amazônia é vértice de matéria viva para o planeta. As crenças, também milenares, concluem no mesmo sentido a valoração religiosa dos seres. Tudo tem sentido implacável nesses potenciais da raiz humana. A Bíblia reforça a imagem inarredável da história humana, concretizando passagens sempre ligadas a fontes da natureza. As árvores, na simbiose com as águas, ar e terra formam o ciclo fértil da vida. O fogo, do ventre furioso da terra realiza a grande transformação oculta e amedronta quando irrompe. Tudo, enfim, está ligado à natureza. Tomamos a face exposta ao homem criativo, desbravador e necessitado perante o manancial natural. As ações do homem exigem o respeito a essas fontes de recursos, considerando a necessidade de equilíbrio, em nossa visão leiga. Respeito e equilíbrio devem balizar a mente civilizatória.

 

Dia do fogo
O fogo que nos aquece no frio e faz parte de tantos momentos bons e úteis no cotidiano, pode, no entanto, ser avassalador. Seus efeitos somam catástrofes. E foi assim o dia do fogo, supostamente deflagrado por empreendedores que rondavam áreas devastadas. É certo que incêndios na Amazônia aconteceram em glebas invadidas que sofreram derrubadas ilegais. O clima seco sempre foi aliado das queimadas consideradas toleráveis. Irresponsabilidade e o crime! O governo Bolsonaro questiona a rigidez da fiscalização, alegando a necessidade de desbravar a selva. Fazendeiros inescrupulosos exageraram no desmatamento, inclusive de áreas preservadas. Madeira no chão, seca, é combustível fácil para descontrole e sinistro.

 

A imprensa
A fumaça invadiu as cidades e foi a primeira denunciante irritando os olhos e dificultando a respiração das pessoas. A situação estava diante dos olhos, ferindo o globo ocular. Era preciso conferir a situação. Entre os técnicos que controlavam as informações e os que fazem a apologia útil da preservação os fatos chegaram aos foros mundiais. A imprensa cumpriu seu papel. O alerta logo se instalou com efeitos colaterais instando o governo à responsabilidade pelo estrago.

 

Debaixo do tapete
Os gestores brasileiros consideraram a devastação do fogo com perigoso relativismo. O alerta emblemático da França e Alemanha foi recebido como intervencionismo. A primeira manifestação de Bolsonaro foi presumir ação criminosa de organizações ambientalistas descontentes com o fim dos acordos com estrangeiros de atuação na mata amazônica. A gravidade relegada poderia colocar o problema debaixo do tapete.

 

Ameaça
Só a ameaça do presidente Emmanuel Macron, da França, que levou o assunto à cúpula do G -7, agitou o setor da produção primária, que poderia ser afetado nas as exportações. Além da própria letargia, o Brasil ficou numa situação difícil pela forma precipitada ao receber a crítica. A intenção da França de auferir vantagem comercial e política não deve ser desconhecida. A atitude nacionalista brasileira é legítima quando preserva o sentido de gostar do país, mas não pode ser campanha de gestão no desespero para assegurar prestígio em queda.

 

Oba! A virada!
O G-7 ofereceu ajuda financeira, recusada no primeiro momento. Reconhecidas as razões para não aceitar excessiva ingerência na Amazônia, Bolsonaro produziu guinada de atitude. E já tomou medidas de urgência, mobilizando o Exército para aplacar o efeito das queimadas. Veio ajuda de Israel e do Chile. Ótimo! Bolsonaro reagiu rapidamente em relação ao próprio equívoco. As pressões internas e externas foram ponderadas pelo presidente. Seja pelas pressões ou avaliação dos interesses em jogo, o certo é que o mandatário brasileiro agiu certo. A fumaça das queimadas abriu seus olhos para ver que o Brasil não pode queimar a selva e perder dinheiro das exportações. O jeito foi meio esquisito, mas a solução é positiva, e democrática.

Gostou? Compartilhe