OPINIÃO

Reverência

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?


A Medicina pode ser contada de mais de mil maneiras. Cada médico poderia verbalizar uma forma, uma história, uma perspectiva, um sonho. Uma das maneiras de contá-la é, deveras, muito simples. É a Medicina pode ser dividida entre pré e pós-tecnologia. A modernidade e todos os seus aparatos distanciou os tempos de névoas da luz agora existente. Nós, dinossauros, forjados em época sem muita ciência a dar apoio, à meia-lua ou meia-lua inteira à procura do diagnóstico e o tratamento adequado, concluímos: que tempos, não é mesmo? O que nos servia de estrado? Exames de sangue, urina e escarro básicos. Raio-X?... abreugrafia, sim, isso mesmo. O Médico, sisudo mas humano, simples mas apoteótico, homem comum mas Deus ou sua manifestação, médico-homem-Deus de ontem sem aparatos consignando raciocínios extraídos de sua compleição humana básica: olhos, ouvidos, olfato, mãos e sensibilidade. De sua maleta mágica brotavam gotas, óleos, comprimidos, elixires... Óculos de aros grossos e escuros, roupas também escuras, eram homens sem dias e noites, quase sem famílias, quase exclusivos dos pacientes. Homens poderosos lutando contra males e doenças devastadoras, inimigos que espreitavam na escuridão, inimigos solertes e implacáveis e super-homens a enfrentá-los. Médicos de poucas ou quase nenhuma especialidade. Se fosse cirurgião, então...o melhor era entregar a Deus ou aquilo que o mago poderia fazer. E, ele, fazia e acontecia...muita gente morria, é verdade mas, muita gente sobrevivia.
Foi assim, com extremado respeito, que conheci os primeiros heróis médico que representavam a profissão-doação que meu pai sonhara ser e não conseguiu mas, que seu filho atingiu. E uma vitória do filho é bem mais que qualquer pretensão que um pai poderia pedir a Deus.
Os notórios profissionais de nossa e de todas as regiões, apoiados na excelência dos hospitais e clínicas de diagnósticos elevaram os cuidados à saúde a um panteão invejável. Eu acompanhei como testemunha ocular essa migração. O que a gente dispunha nos anos 1960-70 e o que se dispõe agora, água para vinho. A sociedade mudou, os homens também e nossos conceitos de médicos super-heróis se alteraram de alguma forma. Os humanistas (havia poucos médicos) deram oportunidade a médicos (agora muitos) funcionários de governos, hospitais e empresas prensados por demandas cada vez maiores – número de pacientes, resultados, medicina defensiva, salários defasados. Apresentar ressonâncias humanas em meio a tantos desafios é coisa para quem tem vocação aliada à profissão. Ser médico é ter uma missão.
Mas, nada é eterno. A gente vem, conta um causo e vai embora. Há causos bacanas, edificantes, como aqueles incalculáveis contados pelo doutor Sérgio Lângaro. Quem o ouviu (muita gente) e os guardou é um ser privilegiado. Nós que ainda permanecemos ficamos a copiar os velhos mestres cujas primeiras lembranças fazem remeter à Londres dos nevoeiros ou as bandas do Boqueirão em noites tenebrosas de inverno. Nessas escuridões ansiávamos pela luz a nos tirar os medos e a luz tinha formas humanas com óculos de aros grossos e suas maletas mágicas, humanidade pura sem tecnologia de apoio e por isso, mágicos a quem devemos um universo de agradecimentos. Graças aos céus muitos dos referenciais ainda permanecem entre nós a brindar a classe com o que há de mais caro, humanidade e experiência. Caro Sérgio, doutor Sérgio, “temo” aí, na lida, dando continuidade aos ensinamentos, tentando honrar o butim.

Gostou? Compartilhe