OPINIÃO

Rumos do campo

Por
· 3 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

O governo Federal percebeu euforicamente que a agropecuária produz, aumenta a renda do país, fomenta a indústria e garante a alimentação para o povo. Sem maior cerimônia fez do fator de produção primária sua bóia de salvação na deriva política. Preocupa mais o rumo afoito na política de incentivo aos ruralistas. Vejam só! Segundo observadores, o censo projetado para este ano sinaliza o rumo do agronegócio. Vai priorizar a informação de carteiras agrícolas e o negócio da compra e venda de produtos, sementes, insumos, enfim, exportação, negócios internacionais. Nisso a intenção apontada é de criar melhores condições aos grandes e intermediários, na relação com os empreendimentos. Os pequenos e médios produtores, especialmente o florescente minifúndio que abastece nossas cidades, ficarão num segundo plano. Está caindo o incentivo à pesquisa de culturas alternativas. Também não é novidade essa política, a partir das facilidades de acesso a generosos créditos aos maiores. Na estratégia de investimentos vem desprotegida a agricultura familiar, onde ocorre maior desrespeito ambiental, diferentemente da monocultura. Aliás, a barganha da bancada ruralista no Congresso, para impedir avanço das denúncias contra Temer, rende rechonchudas benesses de emendas parlamentares e afronta conquistas de preservação ambiental. Com isso, caem as árvores e a motosserras sobem ao pódio. 

Votos de devotos

O Palácio do Jaburu virou visitação dos devotos que juram apego às vantagens urgentes do governo Temer. Parafraseando o Papa Pio XI, aquilo mais se assemelha a um funeral de almas mortas para a consciência política. Enquanto o Presidente admite tudo e contesta a denúncia da PGU como peça de ficção, governa sobre a própria sombra, mas não admite submeter-se a um julgamento. Isso se realmente, autorizado o processo de julgamento pelo Supremo, venha ser reconhecida uma acusação pífia. Então, não seria necessário afrouxar tanto os recursos orçamentários nas ditas emendas aos deputados que assentem à fidelidade de sua inocência. Aliás, o resultado do processo no STF pode ser favorável a Temer. Portanto, arrisca Temer! E serás consagrado perante a opinião pública! Isso, segundo tua própria opinião, e já que nada da acusação é verdade. Simples!

Maia não sorri

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia apresenta semblante severo. Não ri, mas também não chora pelo Temer. Rosto arredondado e pueril sugere ingenuidade e passividade pelas bochechas de “boneca mijona”, mas seus olhos faíscam e brilham quando vê a rampa do Planalto. Se o dia dois de agosto pouco pode mudar para os desejos da oposição, o maior perigo de Temer pode ser seu próprio aliado – Maia!

Saga quatorzeana

Carlos Alberto Romero lançou recentemente sua publicação “96 Anos de Paixão”, sobre a história do G.E.R. 14 de Julho. Inicialmente me detive no encantamento pela apresentação da obra e li rapidamente os textos, mais detido nas legendas, onde pude reconhecer alguns atletas e dirigentes que vi no antigo estádio Celso da Cunha Fiori. Ao completar a primeira leitura voltei ao livro porque senti enorme força de contexto que só um professor, jornalista e primoroso repórter pode conjugar. A publicação é documentário de deliciosas memórias com enorme expressão telúrica. Além das alusões históricas a publicação retoma uma saga de luta pelo time rubro de Passo Fundo com convicção e seriedade. Ao inserir a vindicação patrimonial contra usurpação, faz ressurgir a bandeira da reconquista do patrimônio do 14 de Julho (Vermelhão da Serra), numa reivindicatória de direito e paixão. São muitos aspectos revelados dentre a vida esportiva da cidade, hábitos, costumes, conquistas, cultura e a força educacional no destino de jovens atletas. É o esporte como paixão, mas em todos os capítulos é saliente a demonstração da virtude como força de propulsão do ser humano na vida. O texto e as fotos ganham versão na rivalidade com o E.C. Gaúcho, tornando o vértice da disputa histórica em sublime arte dos cotejos. Parabéns professor Romero pela obra missionária, bandeira e resgate.

Gostou? Compartilhe