OPINIÃO

Salve linda canção sem esperança

Por
· 2 min de leitura

Notamos que você gosta de ler nossas matérias.

Você já leu várias nas últimas horas, para continuar lendo gratuitamente, crie sua conta.

Ter uma Conta ON te da várias vantagens como:

  • Ler matérias sem limite;
  • Marcar matérias como lida;
  • Conteúdo inteligente.
Criar contaAcessar
Você prefere ouvir essa matéria?

Veríssimo pergunta-se, às vezes – poesia numa hora dessas? Exatamente, seria hora de falar de músicas e poesias? Vejam, os quadrilheiros tomaram conta do país e roubam de tudo inclusive nossas esperanças. Tipo A Revolução dos Bichos todos parecem exatamente iguais e enquanto eles lavam a égua nós lavamos as mãos. Entre tantas perdas os sessentões de minha geração vão perdendo suas referências pessoais e do mundo da arte.

Nos anos 1970 vimos de tudo Geraldo Azevedo, Fagner, Belchior, Zé Ramalho, Guilherme Arantes, Raul, Tavito, Zé Rodrix, Kleiton e Kledir, Boca Livre...Tivemos o subgênero do samba, o samba-jóia, de Benito e a MPB veio dar espaço para os irmãos Isolda e Milton Carlos. Isolda, entre outras canções, entregou a Roberto a linda Outra Vez e nunca mais, nem nós e nossos ex-amores, fomos os mesmos. Milton morreu acidentado aos 22 em outubro de 1976 e eu o conheci pelas ondas do rádio da Bandeirantes no programa do Hélio, O Poder da Mensagem. Também, no mesmo programa, descobri Morris Albert e Luís Melodia através da música que dá título a essa crônica. Quando Melodia fez a composição estava apenas com 23 anos e eu achei arte pura, música não dançante ou comercial, música para poucos. Fafá cantava nessa época sobre uma casa com quintal no pé do morro onde passava o bonde da lapinha e um disco voador. Contava que não se sentia só porque tinha um vizinho que era um bêbado velhinho que acreditava no destino – ele mora em cima do arvoredo, ele tem muitos brinquedos, ele sempre foi menino. Eram coisas que tocavam o coração de tantos. Vejam, havia poesia, havia um ar nostálgico que não significava saudade e sim a percepção de que algo de encantador das nossas almas havia ficado para trás.

Porque é assim que acontece à medida que vamos ficando taludos. Vamos perdendo a inocência e o que se apresenta nada tem a ver com o que sonhávamos como projetos de mundo e convivência.

Melodia cantava isso, uma linda canção sem esperança e no caso dele era uma desesperança em resgatar um relacionamento. O mundo era lindo mas, não para Melodia porque faltava o principal. Isolda falava disso que a saudade era a única maneira de se sentir perto de si a pessoa amada, outra vez. Moacyr Franco cantara a mesma coisa dez anos antes em que descrevia as lembranças do primeiro olhar, primeiro beijo e culminava com a observação...o dia está tão lindo, que pena.

Milton, Melodia, Belchior, Raul vão deixando órfãos mas, somos de uma geração que conheceu a arte e por isso jamais perderemos a esperança de que há um mundo melhor escondido em meio às folhagens, entre os trovões e rajadas de vento mesmo que esse mundo só exista nos nossos eternos corações de estudantes.

Gostou? Compartilhe